sicnot

Perfil

País

Morte de Almeida Santos provocou um "grande vazio", diz Sócrates

O antigo primeiro-ministro José Sócrates disse hoje que a morte de Almeida Santos provocou um "grande vazio e uma grande tristeza" e destacou o seu papel no pós 25 de abril, considerando-o o "legislador da liberdade".

Francisco Seco/ AP (Arquivo)

"Todos aqueles que conheceram o Almeida Santos estão certamente mergulhados num grande vazio e numa grande tristeza, porque a sua morte causa-nos estes sentimentos, esta vontade de nos recolhermos em silêncio, porque temos consciência de que qualquer coisa de raro se perdeu e que já não pode ser dita: a vida do Almeida Santos", lamentou José Sócrates, em declarações à agência Lusa.

Para José Sócrates, Almeida Santos "foi talvez o legislador da liberdade".

"Foi o político que mais influenciou a ordem jurídica constitucional da liberdade e da democracia no pós-revolução do 25 de abril. Foi também um dos grandes socialistas da geração da fundação democrática e da fundação do Partido Socialista e da implementação do Partido Socialista. Mário Soares, Salgado Zenha e Almeida Santos foram, digamos, os três grandes socialistas dessa geração e dessa época", sublinhou José Sócrates.

O presidente honorário do PS, António Almeida Santos, faleceu na noite de segunda-feira em sua casa, em Oeiras, aos 89 anos, depois de se ter sentido mal após o jantar.

Segundo José Sócrates, a "grandeza da vida" de António Almeida Santos fez-se de ação.

"Não apenas da contemplação, da escrita, da palavra, mas uma vida de ação, no que isso tem de confronto com a incerteza histórica, antes do 25 de abril, do risco de fazer face à contingência. A verdade é que para a geração do Almeida Santos, a entrada na política fazia parte da condição humana. E se bem conhecia Almeida Santos, o amor à política vinha-lhe do fundo de si: isto é, do amor ao seu país, do amor à sua história, do amor à República", frisou o antigo governante.

José Sócrates destacou também as qualidades humanas do presidente honorário do Partido Socialista.

"Era um homem de uma grande generosidade, um homem muito afável, um homem carinhoso, um homem que levava a amizade a sério. Todos aqueles que o conhecemos no partido socialista podem testemunhar a mesma coisa: que ele foi um grande companheiro, eu sou testemunha disso, e um grande camarada", salientou.

Sócrates considerou ainda que Almeida Santos "significou muito" para todos aqueles que estiveram na vida e na ação política durante as últimas décadas e que será recordado "como uma das grandes figuras do socialismo democrático", cuja vida será olhada "como um exemplo, uma referência e uma inspiração para muitos" desses políticos.

Para o antigo primeiro-ministro, Almeida Santos era talvez um dos políticos da sua geração que melhor falava e escrevia, acrescentando ter consigo todos os seus livros e acompanhado o que o presidente honorário do PS foi escrevendo ao longo dos anos.

"Tenho todos os seus livros e pude seguir todas as suas publicações, e não é apenas a questão de um pensamento sempre muito interessado, muito atual, com muita vontade de intervenção de mudar, de evoluir, de propor, de indicar um caminho, mas também a forma de o fazer, sempre com uma grande elegância", concluiu José Sócrates.

O corpo de António Almeida Santos vai estar hoje, a partir das 17:00, em câmara ardente na Basílica da Estrela, em Lisboa, e será cremado na quarta-feira no cemitério do Alto de São João, também em Lisboa, pelas 14:00.

  • Marcelo lembra como foi tratada a tragédia durante a ditadura
    2:25

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Marcelo Rebelo de Sousa não quis comentar diretamente a polémica em torno da lista das vítimas mortais de Pedrógão Grande, mas recorreu às cheias de 1967 para lembrar como as tragédias eram tratadas no tempo da ditadura. O Presidente da República defendeu que não é possível esconder a dimensão de uma tragédia num regime democrático. Há 50 anos, Marcelo Rebelo de Sousa acompanhou de perto a forma como o regime tentou esconder a verdadeira dimensão do incidente.

  • Ministra admite falhas no SIRESP no presente e no passado
    2:35

    País

    A ministra da Administração Interna admitiu, esta quinta-feira, que o SIRESP falha no presente tal como já falhou no passado, quando a tutela pertencia ao Governo PSD. Os sociais-democratas quiserem ouvir Constança Urbano de Sousa na comissão parlamentar mas desta vez a ministra defendeu-se com um ataque. 

  • "Comecei por ajudar uma família que me pediu um plástico para se proteger"
    4:51
  • Míssil lançado do Iémen intercetado perto de Meca

    Mundo

    Um míssil balístico lançado pelos rebeldes xiitas do Iémen foi intercetado, quinta-feira à noite, perto de Meca, na Arábia Saudita, a um mês da peregrinação muçulmana anual do hajj, anunciou a coligação árabe que intervém no Iémen.