sicnot

Perfil

País

PSP Madeira identifica corpo do Curral das Freiras como turista desaparecido

A PSP da Madeira revelou esta terça-feira que um dos corpos descobertos perto do miradouro da Eira do Serrado, em Câmara de Lobos, é do turista desaparecido desde 10 de janeiro, mas desconhece a identificação de um segundo cadáver encontrado.

(Arquivo)

(Arquivo)

LUSA

O segundo corpo descoberto ainda não foi identificado devido ao adiantado estado de decomposição, adiantou a polícia.

De acordo com um comunicado da PSP, a identificação de um dos cadáveres foi feita pela indumentária e trata-se de um turista de nacionalidade estrangeira que "se encontrava desaparecido na região desde 10 de janeiro".

A informação adianta que "as buscas levadas a efeito pela divisão policial do Funchal e pela equipa de Busca e Salvamento da Força Destacada da Unidade Especial de Polícia na zona da Eira do Serrado - Funchal, associadas às boas condições climatéricas do dia de hoje, permitiram localizar o corpo do mencionado cidadão numa escarpa acidentada".

Na sequência destas diligências e "dada a amplitude da busca efetuada, foi também possível encontrar um outro corpo de um cidadão ainda não identificado dado o seu elevado estado de decomposição", refere a polícia.

A PSP comunicou às entidades judiciárias com responsabilidade na matéria e à Proteção Civil Regional para correspondente remoção das vítimas.

Lusa

  • António Costa evita perguntas sobre estágios não remunerados
    1:55
  • "É evidente que não fecho a porta ao Eurogrupo"
    1:38

    Economia

    O ministro das Finanças diz que não fecha a porta ao Eurogrupo. A declaração é feita numa entrevista ao semanário Expresso. No entanto, Mário Centeno deixa a ressalva que qualquer ministro das Finanças do Eurogrupo pode ser presidente.

  • Trump adia decisão sobre permanência nos acordos de Paris
    1:48
  • Raízes de ciência e rebentos de esperança
    14:14
  • Portugal pode ser atingido por longos períodos de seca

    País

    Portugal e Espanha podem ser atingidos até 2100 por 'megasecas', períodos de seca de dez ou mais anos, segundo os piores cenários traçados num estudo da universidade britânica Newcastle, que tem a participação de uma investigadora portuguesa.