sicnot

Perfil

País

Teor de sal aumentou numa década em 12 categorias de alimentos embalados

O teor de sal em produtos alimentares embalados aumentou desde 2005 em 12 categorias de alimentos e reduziu noutras 16 categorias, segundo um estudo da associação de defesa do consumidor Deco, divulgado esta quarta-feira.

Entre 2005 e 2015, registaram uma redução no teor do sal produtos como a manteiga, o fiambre, o pão, a margarina ou os cereais de pequeno-almoço de chocolate. (Arquivo)

Entre 2005 e 2015, registaram uma redução no teor do sal produtos como a manteiga, o fiambre, o pão, a margarina ou os cereais de pequeno-almoço de chocolate. (Arquivo)

© Nacho Doce / Reuters

Foram analisadas pelos técnicos da Deco 30 categorias alimentares de um total de 250 alimentos: em 16 alimentos a concentração de sal baixou, em dois manteve-se e noutros 12 aumentou.

Os resultados recolhidos em 2015 pela Deco foram comparados com os de estudos realizados em 2005 e em 2011.

Entre 2005 e 2015, registaram uma redução no teor do sal produtos como a manteiga, o fiambre, o pão, a margarina ou os cereais de pequeno-almoço de chocolate.

Em contrapartida, os aperitivos de milho, os croissants, as batatas fritas e o queijo flamengo estão mais salgados do que há 10 anos.

"O caso dos croissants é surpreendente pela negativa. Um produto geralmente apontado pelos elevados níveis de gordura ou de açúcar tem também muito sal. Os croissants analisados apresentavam entre 0,9 e 1,3 gramas de sal por 100 gramas, quase o mesmo do pão de forma embalado", refere a associação de defesa do consumidor.

Contudo, foram os aperitivos de milho o produto que registou um maior aumento (70%): ao consumir uma dose de 30 gramas ingere-se cerca de 10% da quantidade diária de sal recomendada.

A Deco analisou ainda o teor de sal em 50 refeições adquiridas em restaurantes de Lisboa e do Porto: 18 menus de hambúrgueres e 32 refeições de carne (prato do dia).

No caso de Lisboa, o menu de hambúrguer tinha em média 0,72 gramas de sal por 100 gramas e no Porto 0,70.

Quanto aos pratos, os de Lisboa acusaram em média 0,73 gramas de sal por cada 100 e no Porto uma média de 0,87 gramas. Nalguns casos, com apenas uma refeição atinge-se a dose diária de sal recomendada.

A Deco recorda que o consumo diário de sal em Portugal baixou 1,7 gramas desde 2009, mas que se continua a ingerir mais do dobro da quantidade recomendada pela Organização Mundial da Saúde.

Lusa

  • Hipertensão afeta 42% da população portuguesa
    2:25

    Vida

    A hipertensão afeta três milhões e meio de portugueses, embora 25% dos doentes não estão diagnosticados. De acordo com dados do estudo realizado pela Sociedade Portuguesa de Hipertensão é no escalão etário abaixo dos 35 anos que há menos conhecimento da doença e em que o tratamento é menor. O estudo salienta que os portugueses comem 10,7 gramas de sal por dia, o dobro do recomendado e que o tabaco, o álcool e o sedentarismo são os principais fatores de risco, para além da idade. A Sociedade de Hipertensão recomenda rótulos de alimentos com informação acessível e alerta que a hipertensão é uma das principais causas das doenças cardiovasculares, sobretudo do AVC.

  • Sal e alimentos pouco energéticos dominam ementas escolares
    2:34

    País

    Há excesso de sal e alimentos pouco energéticos nas refeições escolares. É a conclusão a que chegou uma análise às refeições de 36 escolas do 1º ciclo da Grande Lisboa. Ficou também claro que grande parte das crianças envolvidas neste estudo ingeria, por um lado, demasiadas proteínas e, por outro, teores de gordura e hidratos de carbono abaixo dos valores de referência. A Direcção Geral de Saúde pede mais fiscalização.

  • Luís Pina indiciado por quatro crimes de tentativa de homicídio
    1:41
  • Líderes europeus unidos para iniciar saída do Reino Unido
    2:08
  • 100 dias de Trump em 04'30''
    4:33

    Pequenas grandes histórias

    Donald Trump tomou posse como 45º Presidente dos EUA dia 20 de janeiro de 2017, faz este sábado, 100 dias. Prometeu grandes mudanças, mas os planos acabaram por chocar de frente com a realidade e a burocracia de Washington, como foi o caso do Obamacare. Foi a primeira ordem executiva que assinou, no dia em que tomou posse, mas a revogação está longe de acontecer.

  • A SIC visitou os bastidores do Santuário de Fátima
    7:43
  • Ministro "mais descansado" com relatório sobre Almaraz, ambientalistas contestam
    2:01

    País

    O ministro do Ambiente diz estar mais descansado depois de conhecer o relatório técnico que considera o armazém de resíduos nucleares em Almaraz uma solução adequada. Já as associações ambientalistas e os partidos criticam o parecer positivo à construção e querem ouvir os ministros do Ambiente e dos Negócios Estrangeiros no Parlamento.

  • Marcelo recebido por multidão na Ovibeja
    2:52