sicnot

Perfil

País

Governo vai propor Guterres para secretário-geral da ONU

O antigo primeiro-ministro e alto-comissário das Nações Unidas António Guterres vai ser o nome proposto pelo Governo português para o cargo de secretário-geral da ONU, noticia hoje o jornal Público.

António Guterres, antigo primeiro-ministro de Portugal, exerceu o cargo de Alto comissário das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) até ao final de 2015.

António Guterres, antigo primeiro-ministro de Portugal, exerceu o cargo de Alto comissário das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) até ao final de 2015.

© Denis Balibouse / Reuters (Arquivo)

"O Governo vai apresentar a candidatura de António Guterres a secretário-geral das Nações Unidas", avançou o primeiro-ministro, António Costa, ao jornal Público, segundo um artigo publicado hoje.

De acordo com a edição de hoje do diário, a apresentação oficial da candidatura do antigo primeiro-ministro socialista, que até 31 de dezembro passado ocupou o cargo de alto-comissário da das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), deverá ser feita em fevereiro.

O Público adianta que o primeiro-ministro, António Costa, já informou o Presidente da República, Cavaco Silva, de que está a proceder às diligências inerentes ao patrocínio da candidatura de Guterres e que já terá comunicado a intenção aos líderes partidários com assento parlamentar.

Segundo o jornal, o Governo também já está a realizar contatos diplomáticos para apoios à candidatura de Guterres junto de vários países, tendo desde já assegurado que a candidatura "não será vítima do veto por parte de nenhum dos cinco países-membros permanentes do Conselho de Segurança das Nações Unidas" (França, Inglaterra, Rússia, China e Estados Unidos da América).

O antigo chefe de Governo português foi eleito para o ACNUR em junho de 2005 e reeleito cinco anos depois para um segundo mandato, que terminou a 31 de dezembro de 2015, e foi agora substituido no cargo da ONU pelo diplomata italiano Filippo Grandi.

A crise dos refugiados motivou várias tomadas de posição de Guterres, que apelou a uma maior solidariedade da comunidade internacional.

A eleição do secretário-geral das Nações Unidas, que decorrerá durante este ano, é um processo complexo que envolve vários equilíbrios geoestratégicos e que obedece à necessidade de os candidatos preencherem diversos critérios, adianta o diário.

O Público escreve que Guterres, além do prestígio que alcançou no cargo de alto-comissário das Nações Unidas, tem a seu favor o facto de ter sido primeiro-ministro de um país da União Europeia e, como tal, ter participado em várias cimeiras europeias, além de ter presidido à União Europeia em 2000.

Contudo, o jornal alerta para dois obstáculos que se podem colocar a Guterres na sucessão ao sul-coreano Ban Ki-moon, nomeadamente o facto de estar praticamente assente a necessidade de eleger uma mulher para aquele cargo, além de o expresso desejo de que este seja ocupado por um candidato oriundo da Europa de Leste.

"Entendeu-se que, mesmo perante um quadro que é complexo, havendo a possibilidade de eleição, esta não deve deixar de ser explorada", revelou ao Público o responsável do processo de candidatura de António Guterres.

Lusa

  • "É mais um notável tiro no pé de Passos Coelho"
    4:04

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no Jornal da Noite, a polémica em torno de Pedro Passos Coelho, depois do presidente do PSD ter pedido desculpas por ter "usado informação não confirmada", ao falar na existência de suicídios, depois desmentidos, como consequência da falta de apoio psicológico na tragédia de Pedrógão Grande. Sousa Tavares considera que Passos Coelho deu "mais um tiro no pé" e defende que o líder da oposição "está notoriamente desgastado" e "caminha para uma tragédia eleitoral autárquica".

    Miguel Sousa Tavares

  • Este texto é sobre o bom senso. O bom senso que faltou a Passos Coelho quando, esta manhã, depois de uma visita pelas áreas ardidas de Pedrógão Grande, decidiu falar em suicídios. Passos não se referiu a tentativas, mas sim a atos consumados. Deu certezas. Disse que tinha conhecimento de “pessoas que puseram termo à vida” porque “que não receberam o apoio psicológico que deviam.”

    Bernardo Ferrão

  • Simplex+2017 promete simplificar burocracia
    1:08

    País

    Já está online o novo Simplex+2017, que vai simplificar a vida dos cidadãos, empresas e administração pública. Pagar impostos com cartão de crédito e ter o cartão de cidadão ou a carta de condução no telemóvel são alguns exemplos do que está previsto.

  • Homem fala ao telefone com o filho que pensava estar morto

    Mundo

    Um norte-americano que tinha estado presente no funeral do filho recebeu, 11 dias depois, uma chamada telefónica de um homem que o pôs em contacto... com o filho que havia enterrado semana e meia antes. Tudo por causa de um erro do gabinete de medicina legal.