sicnot

Perfil

País

Passadiços de Arouca reabrem a 13 de fevereiro com entradas a um euro

O passadiço sobre as escarpas do rio Paiva, em Arouca, reabre ao público a 13 de fevereiro com a afluência limitada a 3.500 visitantes diários, o que obrigará ao controlo online das entradas, que agora custarão um euro.

A estrutura de oito quilómetros inaugurada em junho de 2015 rapidamente se tornou uma atração turística da região, pela sua paisagem natural ao longo das margens do rio e através de áreas até então intocadas, mas cerca de 600 metros desse percurso foram em setembro destruídos num incêndio, o que obrigou à evacuação dos visitantes que ali se encontravam.

Para evitar que circunstâncias idênticas se possam repetir em momentos de maior afluência e complicar operações de socorro, a autarquia decidiu impor um limite de acessos à estrutura. Esses acessos serão controlados "através de uma plataforma 'online' que será oficialmente lançada a 1 de fevereiro", como anuncia à Lusa o presidente da Câmara, José Artur Neves.

Um quilómetro de passadiço manter-se-á de acesso livre, mas, para apreciação do percurso integral, os interessados terão que solicitar o seu direito de entrada através da Internet e depois apresentar o comprovativo dessa reserva aos funcionários que, nas três entradas do percurso, passarão a verificar os respetivos dados.

Com esse procedimento, a autarquia criou assim seis novos postos de trabalho, cujos honorários serão suportados por uma receita de bilheteira que o autarca espera vir a refletir os mesmos níveis de elevada afluência registados enquanto o acesso ao local era gratuito.

"Um euro é uma quantia irrisória, até a avaliar pela pressão que temos sentido por parte das unidades hoteleiras e das agências de turismo, com as pessoas sempre a perguntarem quando é que reabrimos o passadiço", defende José Artur Neves. "E os cidadãos de Arouca terão um cartão de acesso gratuito ao local, para irem lá as vezes que quiserem", acrescenta, embora referindo que a emissão do documento também terá um custo.

Outra novidade a ultimar para a reabertura é a transformação operada na zona que até aqui era apontada como a menos apelativa do passeio, por se afastar das margens do Paiva e obrigar a uma subida íngreme em terra batida, através do pinhal.

"A escadaria que começa na ponte de Alvarenga, no extremo próximo da praia do Areinho, não tinha continuidade quando chegava a essa parte", recorda o presidente da Câmara. "Mas agora esse terreno é nosso e fizemos lá mais 200 metros de degraus, o que resulta numa escadaria ainda mais imponente do que a que já lá estava", afirma.

Outra mais-valia desse troço é que permitirá aos visitantes observarem "um sobreiral muito antigo", onde as árvores "conseguiram fixar raiz entre as pedras e cresceram no meio da rocha", revelando o que José Artur Neves classifica como "uma resistência extraordinária".

Além da recuperação do troço destruído pelo fogo e da implementação do sistema de controlo de acessos, a intervenção que a Câmara de Arouca vem realizando no passadiço do Paiva desde setembro incluiu também a aquisição do terreno junto à ponte de Alvarenga e a criação de instalações sanitárias na Praia do Vau. O investimento da autarquia nesses trabalhos estima-se na ordem dos 124.000 euros.

Lusa

  • Saco azul do BES pagou a 106 pessoas e 96 avenças ocultas
    2:21

    Economia

    Pelo menos 106 pessoas receberam dinheiro da Espirito Santo Enterprises, a companhia offshore criada nas Ilhas Virgens Britânicas e que terá funcionado como um gigantesco saco azul do Grupo Espirito Santo. O jornal Expresso revelou os primeiros vinte nomes da lista, entre os quais estão Zeinal Bava, antigo CEO da PT, e Manuel Pinho, ex-ministro da economia do Governo de José Sócrates.

  • Novo Banco vai reestruturar dívida de Luís Filipe Vieira
    1:22

    Desporto

    O Novo Banco vai reestruturar parte da dívida da empresa de Luís Filipe Vieira, que ronda os 400 milhões de euros. Parte dos ativos da empresa foram transferidos para um fundo para serem rentabilizados no prazo de cinco anos. Esse fundo está a ser gerido pelo vice-presidente do Benfica.

  • Caso que está a gerar tensão entre Angola e Portugal chega a tribunal 2ª.feira
    1:32

    País

    O julgamento da Operação Fizz começa esta segunda feira numa altura em que o tribunal da Relação ainda não decidiu se aceita o pedido de Luanda para que Manuel Vicente seja julgado em Angola. O Presidente da República Marcelo Rebelo de Sousa foi arrolado pelo tribunal como testemunha e já respondeu por escrito. O processo será julgado no tribunal da comarca de Lisboa pelo coletivo de juízes formado por Alfredo Costa, Helena Pinto e Ana Guerreiro da Silva, estando o Ministério Público representado pelo procurador José Góis.

  • Mais de 60% dos jovens não usam preservativo
    1:42
  • Dissonâncias entre EUA e Europa "podem ser ultrapassadas"
    1:04

    Mundo

    O ministro dos Negócios Estrangeiros reconhece que há sinais manifestos de dissonância na política externa da Europa e dos Estados Unidos da América. No dia em que Donald Trump completa um ano na Casa Branca, Augusto Santos Silva diz que acredita, no entanto, que essas divergências podem ser ultrapassadas.

  • Há mais um suspeito do massacre de Las Vegas 
    0:27

    Mundo

    Em outubro passado, Stephen Paddock abriu fogo sobre os espetadores de um concerto de música country, em Las Vegas, matando 58 pessoas e ferindo quase 500, no mais sangrento tiroteio da história norte-americana recente. A novidade é que a polícia federal dos EUA abriu uma investigação sobre um segundo suspeito no tiroteio. A Polícia Metropolitana disse que não há ainda um motivo para o tiroteio mas aponta como uma das possíveis razões o facto de Stephen Paddock ter perdido uma grande quantia de dinheiro. Os investigadores descobriram ainda que o atirador possuía pornografia infantil no seu computador.