sicnot

Perfil

País

Presidente da Comissão Europeia felicita Marcelo e espera reencontro em breve

O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, felicitou hoje Marcelo Rebelo de Sousa pela vitória nas eleições presidenciais de domingo, e transmitiu-lhe o desejo de o rever em breve, indicou um porta-voz do executivo comunitário.

© Yves Herman / Reuters

"No seguimento das eleições presidenciais em Portugal, ontem [domingo], o presidente Juncker enviou uma carta de felicitações ao presidente eleito Marcelo Rebelo de Sousa, em nome da Comissão Europeia", anunciou Margaritis Schinas, durante a conferência de imprensa diária do executivo comunitário, em Bruxelas.

O porta-voz recordou que o presidente da Comissão e o novo Presidente da República "já se encontraram no passado" e indicou que Jean-Claude Juncker, na missiva de felicitações dirigida a Marcelo Rebelo de Sousa, "manifestou o seu desejo de o ver novamente em breve nas suas novas funções".

Juncker recebeu Marcelo Rebelo de Sousa a 19 de novembro passado, por ocasião de uma deslocação a Bruxelas do então candidato.

Marcelo Rebelo de Sousa foi no domingo eleito Presidente da República com 52% dos votos, uma percentagem acima dos 50,5% conseguidos na primeira eleição pelo seu antecessor, Cavaco Silva, em 2006.

O ex-líder do PSD e comentador político tornou-se no quinto Presidente da República portuguesa desde o 25 de Abril de 1974, numas eleições em que se registou uma abstenção de 51%.

Segundo os dados do Ministério de Administração Interna, Marcelo obteve 52%, seguindo-se Sampaio da Nóvoa (22,89%), independente apoiado por personalidades do PS, Marisa Matias (10,13%), apoiada pelo BE, Maria de Belém (4,24%), militante do PS, Edgar Silva (3,95%), apoiado pelo PCP, Vitorino Silva (3,28%), Paulo de Morais (2,15%), Henrique Neto (0,84%), Jorge Sequeira (0,3%) e Cândido Ferreira (0,23%).

  • Admissão de efetivos nas Forças Armadas aquém do pedido pelas chefias
    1:42

    País

    O Ministério das Finanças autorizou a admissão de mais efetivos nas forças armadas, este ano mas a integração fica muito abaixo do número pedido pelas chefias militares. Mário Centeno só terá autorizado a integração de cerca de três mil militares em vez das cinco mil vagas propostas pelas chefias do Exército, Força Aérea e Marinha.

  • China prepara-se para inaugurar comboio mais rápido do mundo
    1:08