sicnot

Perfil

País

Dois médicos do hospital de Elvas acusados de crime de violação das boas práticas médicas

Dois médicos do hospital de Elvas vão responder em tribunal por um crime de violação das boas práticas médicas durante a assistência a uma paciente que acabou por morrer.

A incidência de carcinoma da cabeça e pescoço foi de 50 novos casos por ano na população masculina, por 100 mil habitantes, e de 16 novos casos por ano na população feminina, com taxas de mortalidade de 19 e 3, respetivamente.(Arquivo)

A incidência de carcinoma da cabeça e pescoço foi de 50 novos casos por ano na população masculina, por 100 mil habitantes, e de 16 novos casos por ano na população feminina, com taxas de mortalidade de 19 e 3, respetivamente.(Arquivo)

© Regis Duvignau / Reuters

A paciente deu entrada no Hospital de Santa Luzia, em Elvas, em agosto de 2013, queixando-se de dores de cabeça, tonturas, vómitos e diminuição da visão, sintomas que revelava há vários dias. A mulher foi medicada com anti-inflamatórios e analgésicos e enviada para casa.


Seis dias depois desmaiou e foi de novo transportada para o hospital onde lhe foi detectada uma hemorragia intracraniana. A paciente acabaria por morrer, dois dias depois.

Investigado o caso, o Ministério Público entende que os médicos falharam no primeiro atendimento à doente. Os magistrados entendem que, o quadro clínico que a doente apresentava, exigia a realização de uma TAC, exame que lhe poderia ter salvo a vida.

  • "O FC Porto não merece ser campeão"
    2:23
    Play-Off

    Play-Off

    DOMINGO 22:00

    O empate do FC Porto com o Feirense foi o principal assunto do Play-Off da SIC Notícias, este domingo. Rodolfo Reis mostrou-se insatisfeito com a atitude dos jogadores do FC Porto.

  • Incêndio em Alfragide deixa 12 pessoas desalojadas
    1:59

    País

    Um incêndio destruiu este domingo a cobertura de um prédio de habitação em Alfragide, no concelho da Amadora. Doze pessoas ficaram desalojadas, mas ninguém ficou ferido. Os bombeiros dominaram o fogo em cerca de uma hora, os moradores queixam-se da falta de eficácia no combate às chamas.