sicnot

Perfil

País

António Guterres vai ser condecorado pelo PR na próxima semana

O ex-primeiro-ministro António Guterres vai ser condecorado pelo Presidente da República com a Grã-Cruz da Ordem da Liberdade, um mês depois de ter cessado funções como alto comissário das Nações Unidas para os Refugiados.

© Pierre Albouy / Reuters (Arquivo)

Segundo fonte da Presidência da República, a cerimónia de agraciamento de António Guterres irá realizar-se na terça-feira no Palácio de Belém, em Lisboa.

A Ordem da Liberdade destina-se a distinguir serviços relevantes prestados em defesa dos valores da civilização, em prol da dignificação da pessoa humana e à causa da liberdade.

António Guterres foi alto comissário das Nações Unidas para os Refugiados durante dez anos, tendo terminado o mandato em final de 2015.

Na semana passada, o Governo anunciou que vai apresentar a candidatura de António Guterres a secretário-geral das Nações Unidas, sublinhando que se trata de "um imperativo".

"É nossa firme convicção que o engenheiro António Guterres é a personalidade com melhores condições para exercer esse mandato, correspondendo à necessidade de enfrentar os desafios que hoje se colocam à comunidade internacional", lê-se numa nota divulgada pelo gabinete do ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva.

O Governo considera que a "longa experiência política" e "a forma exemplar" como o antigo primeiro-ministro socialista exerceu altos cargos internacionais "demonstram cabalmente os méritos desta candidatura, que o Governo entende constituir um imperativo, num tempo em que, mais do que em qualquer outro, o mundo se tem de mobilizar em torno da paz e do desenvolvimento".

Depois de cessar funções como primeiro-ministro, António Guterres foi condecorado pelo então Presidente da República Jorge Sampaio com a Grã-Cruz da Ordem de Cristo.

Lusa

  • Fuga de Vale de Judeus em junho de 1975 no Perdidos e Achados
    0:36

    Perdidos e Achados

    Prisão Vale de Judeus, final de tarde de domingo, dia 29 de junho de 1975. O plano da fuga terá sido desenhado por uma vintena de homens. Serrada a presiana metálica era preciso passar, para fora do edifício, as cabeceiras dos beliches onde os presos dormiam. Ao longo de cerca de uma hora 89 detidos, agentes da PIDE/DGS, a Polícia Internacional e de Defesa do Estado português extinta depois da revolução de 1974, fogem do estabelecimento prisional.

    Segunda-feira no Jornal da Noite