sicnot

Perfil

País

Portugal melhora 3 posições no ranking de perceção de corrupção

Entre 168 países, Portugal mantém o 28º lugar no índice de corrupção percecionada no setor público, divulgado hoje pela Transparência Internacional. A nota foi a mesma de 2014, mas Portugal acabou por beneficar dos piores resultados de outros países e assumiu um lugar melhor no ranking. O Brasil foi o país que teve a pior queda, para o 76º lugar.

© Jose Manuel Ribeiro / Reuters

"O Brasil foi quem teve a maior queda, perdendo cinco pontos e descendo sete posições, para o 76.º lugar", lê-se na 21.ª edição do relatório "Índice de Percepção da Corrupção", da Transparência Internacional.

"O escândalo da Petrobras, atualmente em curso, levou as pessoas às ruas em 2015 e o início do processo judicial poderá ajudar o Brasil a frear a corrupção", acrescenta o documento hoje divulgado.

De acordo com esta análise, que já leva mais de duas décadas, "ao todo, dois terços dos 168 países listados no índice de 2015 têm uma pontuação abaixo de 50, numa escala de 0 (considerado o mais corrupto) a 100 (considerado o menos corrupto)".

"Se trabalharmos juntos, podemos vencer a corrupção; para acabar com o abuso do poder, o suborno e revelar negociatas, os cidadãos devem juntar-se e dizer aos seus governos que já chega", diz o presidente da Transparência Internacional, José Ugaz, citado no relatório.

Entre os países lusófonos, Angola continua a ser o país onde existe maior perceção da corrupção no setor público, e Portugal aquele onde este sentimento é menor, conforme se mostra na tabela em baixo, retirada do Índice hoje divulgado.

O índice cobre as perceções sobre a corrupção do setor público em 168 países. A Dinamarca aparece no topo pelo segundo ano consecutivo, sendo a Coreia do Norte e a Somália os piores casos, com apenas oito pontos cada.

O documento afirma que os países mais bem colocados têm vários aspetos em comum, entre os quais o "alto nível de liberdade de imprensa; acesso a informação sobre orçamento público -- para que a população saiba de onde vem e como é gasto o dinheiro; altos níveis de integridade entre as pessoas no poder; e sistemas judiciários que não diferenciam ricos e pobres, e que são realmente independentes das outras esferas do governo".

Pelo contrário, "para além dos conflitos e guerras, a fraca governança, instituições públicas débeis -- como a polícia e o judiciário, e a falta de independência da imprensa caracterizam os países que ocupam as posições mais baixas".

O Índice de Percepção da Corrupção baseia-se em opiniões especializadas sobre a corrupção do setor público. As pontuações dos países são potenciadas por governos abertos, nos quais os cidadãos são capazes de responsabilizar os seus representantes, enquanto uma pontuação baixa é um sinal da prevalência de subornos, impunidade da corrupção e instituições públicas que não atendem às necessidades dos cidadãos, segundo o relatório.

PONTUAÇÃO (do melhor para o pior)

1. Dinamarca

2. Finlândia

3. Suécia

4. Nova Zelândia

5. Holanda

6. Noruega

7. Suíça

8. Singapura

9. Canadá

10. Alemanha

10. Luxemburgo

10. Reino Unido

28. Botswana

28. Portugal

40. Cabo Verde

66. São Tomé e Príncipe

66. Macedónia

66. Turquia

76. Brasil

112. Honduras

112. Malaui

112. Moçambique

112. Vietname

123. Gâmbia

123. Guatemala

123. Cazaquistão

123. Quirguistão

123. Líbano

123. Madagáscar

123. Timor-Leste

158. Haiti

158. Guiné-Bissau

158. Venezuela

163. Angola

163. Sudão do Sul

167. Coreia do Norte

167. Somália

  • Costa desvaloriza ameaça e mantém planos de visita a Angola
    2:27

    Economia

    O governo angolano reagiu duramente à acusação do Ministério público portugues contra o vice-presidente de Angola. Luanda diz que a acusação é um sério ataque à República de Angola que pode perturbar as relações entre os dois paises. António Costa desvaloriza a ameaça e mantém os planos de uma visita a Angola na primavera.

  • Catarina Martins diz que é preciso ouvir os dois secretários de Estado sobre offshores
    1:27

    Economia

    O Bloco de Esquerda diz que participa com empenho em todas as comissões de inquérito, mas insiste que não faz sentido suspender o trabalho da comissão em curso sobre a Caixa Geral de Depósitos. Catarina Martins esteve esta manhã em Estremoz, onde comentou também o caso das transferências para offshores. A coordenadora do Bloco diz que é preciso ouvir os dois Secretários de Estado dos assuntos fiscais para perceber o que se passou.

  • Brasil já tirou o "pé do chão"
    1:59

    Mundo

    Já começaram os desfiles e festas de carnaval, no Rio de Janeiro.Esta sexta feira foi o início oficial das celebrações com centenas de milhar de pessoas nas ruas até de madrugada.

  • Luaty Beirão agredido em manifestação em Luanda
    1:27

    Mundo

    Luanda tem sido palco de várias manifestações contra a forma como está a decorrer o processo eleitoral em Angola. Esta sexta-feira, uma dessas manifestações acabou em confrontos com as autoridades. Entre os manifestantes estava o ativista Luaty Beirão.

  • Atores de Hollywood contra Trump
    1:44

    Mundo

    Centenas de pessoas juntaram-se em mais um protesto contra o presidente dos Estados Unidos. A manifestação, em Beverly Hills, juntou várias estrelas de Hollywood.