sicnot

Perfil

País

INEM desenvolve "todos os esforços" para ter VMER no Amadora-Sintra

O Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) anunciou hoje estar a "desenvolver todos os esforços" para criar uma Viatura Médica de Emergência e Reanimação (VMER) no Hospital Amadora-Sintra, depois da morte do ator José Boavida com uma paragem cardio-respiratória.

(SIC/ Arquivo)

Através de um comunicado, no qual "lamenta profundamente" a morte do ator, o INEM dá conta dos seus esforços para dotar de uma VMER o Hospital Fernando da Fonseca (Amadora-Sintra), que não tem este tipo de viatura de emergência.

No entanto, o INEM sublinha que "o socorro foi prestado de forma correta", tendo sido possível reverter a paragem cardiorrespiratória do ator.

"No passado dia 7 de janeiro foi recebido no Centro de Orientação de Doentes Urgentes (CODU) do INEM, via Número Europeu de Emergência - 112, às 23:52, um pedido de socorro, dando conta de uma vítima, encontrada inconsciente na via pública", conta o instituto.

Na mesma nota, dá conta de que após localização e triagem, foi acionada para o local, às 23h54, a VMER disponível mais próxima do local, situada no Hospital S. Francisco Xavier, e, às 23h55, uma Ambulância de Socorro dos Bombeiros Voluntários (BV) de Queluz, ou seja, "os meios de socorro foram acionados ainda no decorrer da chamada em que estava a ser feito o pedido de socorro".

O INEM adianta ainda que os dados disponíveis mostram que a Ambulância de Socorro dos BV de Queluz chegou ao local às 00:00, tendo informado o CODU de que "a vítima foi encontrada em paragem cardiorrespiratória, encontrando-se a equipa de socorro a proceder a manobras de reanimação".

Segundo o INEM, foi ainda recebido no CODU, às 00:33, a informação de que a equipa médica da VMER, após manobras de Suporte Avançado de Vida, conseguiu reverter a paragem cardiorrespiratória e iria iniciar o transporte do doente para o hospital mais próximo (Amadora-Sintra).

O ator José Boavida morreu no dia 26 de janeiro no Hospital Fernando da Fonseca, onde estava internado nos cuidados intensivos há duas semanas, após uma Paragem Cardiorrespiratória.

De acordo com o agente do ator, José Boavida não resistiu às sequelas da Paragem Cardiorrespiratória.

José Boavida integrou ultimamente a série da RTP 'Bem-vindos a Beirais', entre outras em vários canais televisivos, bem como no teatro.

Na série que ainda se encontra atualmente em programação na RTP1, José Boavida dava corpo ao mecânico Manuel Pedroso.

Lusa

  • Ator José Boavida morreu esta madrugada
    2:08

    Cultura

    Morreu esta madrugada o ator José Boavida, que estava em coma há duas semanas.O ator caiu inanimado a menos de 2 quilómetros do Hospital Amadora-Sintra, que não tem viatura médica de emergência. Acabou por ser socorrido por uma ambulância do Hospital S. Francisco Xavier, que fica bastante mais longe. A família está revoltada.

  • "A nossa lei tem demasiados buracos"
    0:44

    País

    Rui Cardoso acusa a classe política de não querer resolver os problemas da corrupção em Portugal. Entrevistado na Edição da Noite da SIC Notícias o magistrado do Ministério Público considera que ainda há um longo caminho a percorrer no combate à corrupção.

  • Salah Abdeslam deixa cadeira vazia na leitura da sua sentença
    2:05

    Mundo

    O único suspeito vivo dos ataques de Paris em 2015 foi esta segunda-feira condenado a 20 anos de prisão por um tribunal belga, num processo paralelo: um tiroteio em março de 2016, em Bruxelas. Tanto Salah Abdeslam como o cúmplice não quiseram estar na leitura da sentença. O julgamento de Salah Abdeslam pelos ataques de Paris só deverá acontecer no próximo ano, em França.

  • Beyoncé e a irmã caem e o vídeo torna-se viral

    Cultura

    Beyoncé voltou este fim de semana a subir ao palco do Coachella, depois de ter atuado na primeira semana do festival que decorreu no deserto da Califórnia, nos EUA. A cantora norte-americana voltou a brilhar, mas foi o momento em que caiu no palco com a irmã, Solange, que acabou por se tornar viral.

    SIC

  • Cientistas querem sequenciar genomas de 15 milhões de espécies

    Mundo

    Um consórcio internacional de cientistas, que por enquanto não inclui portugueses, propõe-se sequenciar, catalogar e analisar os genomas (conjuntos de informação genética) de 15 milhões de espécies, uma tarefa que levará dez anos a fazer, foi divulgado esta segunda-feira.