sicnot

Perfil

País

Aluna que morreu no Hospital de Santa Maria teve paragem cardíaca

A aluna de 11 anos que foi encontrada inconsciente numa escola do concelho de Sintra teve morte cerebral, na sequência de uma paragem cardíaca. A informação foi prestada esta sexta-feira pela direção clínica dos Centros Hospitalares de Lisboa Norte.

Hospital de Santa Maria, em Lisboa. (Arquivo)

Hospital de Santa Maria, em Lisboa. (Arquivo)

A menina morreu na quinta-feira, no hospital de Santa Maria, em Lisboa.

O resultado da autópsia revelou que a causa da morte não se deveu "a quaquer sinal de trauma".

De acordo com a direção clínica dos Centros Hospitalares de Lisboa Norte. a aluna "foi vítima de paragem cardíaca na escola" e a situação "evoluiu para morte cerebral devido ao tempo prolongado de paragem cardíaca".

O agrupamento ainda não se pronunciou sobre o atendimento ao caso.

A direção da escola explicou, em comunicado, que a aluna morreu "na sequência de um acontecimento repentino ocorrido na escola, durante o primeiro intervalo da tarde de segunda-feira".

O Ministério da Educação afirmou que a aluna teve assistência médica ainda na escola e foi transportada de urgência para o Hospital de Santa Maria, onde permaneceu em coma na unidade de cuidados intensivos, acabando por morrer na quinta-feira.

Segundo a direção clínica dos CHLN, a aluna "foi vítima de paragem cardíaca na sua escola" e a situação "evoluiu para morte cerebral devido ao tempo prolongado de paragem cardíaca".

  • Família perde tudo na aldeia de Queirã
    2:32
  • Temperaturas sobem no fim de semana, risco de incêndio aumenta
    1:08

    País

    A chuva que caiu nos últimos dias não deverá ter impactos relevantes na dominuição da seca e, por isso, o risco de incêndios vai voltar a aumentar com nova subida das temperaturas. Os termómetros podem chegar aos 30 graus entre domingo e quarta-feira.

  • Não me parece o melhor princípio político, mas percebo que António Costa queira ter junto de si, sobretudo em tempos difíceis, os mais próximos. Os homens de confiança pessoal e política. Em plena tempestade, o primeiro-ministro chamou dois amigos de longa data, ex-colegas da Faculdade de Direito, Eduardo Cabrita e Pedro Siza Vieira. E eles não disseram que não.

    Bernardo Ferrão