sicnot

Perfil

País

Aluna que morreu no Hospital de Santa Maria teve paragem cardíaca

A aluna de 11 anos que foi encontrada inconsciente numa escola do concelho de Sintra teve morte cerebral, na sequência de uma paragem cardíaca. A informação foi prestada esta sexta-feira pela direção clínica dos Centros Hospitalares de Lisboa Norte.

Hospital de Santa Maria, em Lisboa. (Arquivo)

Hospital de Santa Maria, em Lisboa. (Arquivo)

A menina morreu na quinta-feira, no hospital de Santa Maria, em Lisboa.

O resultado da autópsia revelou que a causa da morte não se deveu "a quaquer sinal de trauma".

De acordo com a direção clínica dos Centros Hospitalares de Lisboa Norte. a aluna "foi vítima de paragem cardíaca na escola" e a situação "evoluiu para morte cerebral devido ao tempo prolongado de paragem cardíaca".

O agrupamento ainda não se pronunciou sobre o atendimento ao caso.

A direção da escola explicou, em comunicado, que a aluna morreu "na sequência de um acontecimento repentino ocorrido na escola, durante o primeiro intervalo da tarde de segunda-feira".

O Ministério da Educação afirmou que a aluna teve assistência médica ainda na escola e foi transportada de urgência para o Hospital de Santa Maria, onde permaneceu em coma na unidade de cuidados intensivos, acabando por morrer na quinta-feira.

Segundo a direção clínica dos CHLN, a aluna "foi vítima de paragem cardíaca na sua escola" e a situação "evoluiu para morte cerebral devido ao tempo prolongado de paragem cardíaca".

  • A inédita entrevista do príncipe Harry a Barack Obama
    0:47

    Mundo

    Foi divulgado um vídeo pouco habitual, onde aparece o príncipe Harry a entrevistar Barack Obama para um programa de rádio. A conversa foi gravada em setembro, durante um evento desportivo para militares com deficiência, e será transmitida na íntegra no dia 27 de dezembro.

  • Parlamento discute utilização de animais no circo
    2:01
  • Seis meses depois da tragédia de Pedrógão Grande
    5:55

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Assinalou-se este domingo meio ano desde que o país ficou em choque com o rasto de morte e destruição causado pelos incêndios florestais na região centro. A tragédia de Pedrogão Grande foi há precisamente seis meses. Enquanto segue a reconstrução no tempo possível e com o Natal à porta, a vida prossegue, mas não voltará a ser mesma.