sicnot

Perfil

País

DGS garante que casos de sarna nas escolas não configuram risco de saúde pública

A Direção-Geral da Saúde esclareceu hoje que os casos de sarna nas escolas não justificam o encerramento dos estabelecimentos de ensino, nem quarentena obrigatória de crianças infetadas, por não configurar risco de saúde pública nacional e ser facilmente tratável.

Arquivo SIC

Quanto às razões para estar a aumentar o número de casos de escabiose (sarna) em escolas da região de Lisboa, a sub-diretora geral da Saúde, Graça Freitas, disse desconhecer se efetivamente se está a verificar um aumento ou se é um caso de "epidemia mediática", porque se começou a falar e a noticiar o assunto.

A verdade, disse à Lusa, é que "há frequentemente" casos de sarna - uma doença de pele contagiosa causada por um ácaro e que dá comichão intensa -- mas que não são noticiados.

Contudo, a responsável salvaguardou que, mesmo que se esteja a verificar um aumento de casos relativamente aos anos anteriores, não é a um nível que implique uma "epidemia nacional".

"É controlável com tratamento e passa rapidamente. Não configura um risco nacional para a saúde pública. Se aumentar, poderemos considerar uma intervenção [ao nível da DGS], mas para já não", afirmou.

Por enquanto, a sarna nas escolas é gerida a nível dos centros de saúde. A intervenção está a cargo dos ACES (agrupamentos de centros de saúde) e das ARS (administrações regionais de saúde).

Nas escolas em que há crianças com sarna, a solução passa por trata-las a todas, já que é uma doença "simples e de tratamento rápido".

"Tem é que ser feito o tratamento a sério", sublinhou, acrescentando que as orientações de saúde que existem para as escolas não contemplam a sarna como uma das doenças em que é necessário colocar a criança de quarentena.

Graça Freitas disse que cabe ao médico, se assim o entender, recomendar que a criança doente fique em casa durante 24 horas, após iniciar o tratamento, mas as escolas não podem vedar o seu acesso.

O próprio decreto regulamentar sobre as "doenças transmissíveis que originam evicção escolar" determina que "a sarna não consta da lista das doenças que afastam temporariamente da frequência escolar e demais atividades de ensino os discentes, pessoal docente e não docente".

No total já foram diagnosticados mais de 30 casos de sarna confirmados.

Só em Cascais há registo de 23 e em Alenquer registaram-se desde outubro seis. A estes juntam-se mais três em Loures, um na Póvoa de Santo Adrião e três em Leiria, noticiados hoje pelo Correio da Manhã.

Lusa

  • Cinco casos de sarna em escola de Cascais
    1:15

    País

    Desde o início do ano que já apareceram cinco casos de sarna na Escola Básica de Cascais. O caso foi prontamente comunicado às autoridades de saúde que entenderam não haver motivo para encerrar o estabelecimento de ensino. Já na semana passada a SIC deu conta de vários casos de sarna numa escola do Carregado.

  • Sete casos de sarna no Centro Escolar do Carregado
    3:48

    País

    Há sete casos de sarna no Centro Escolar do Carregado, uma escola com 530 crianças. O primeiro surgiu em outubro, mas os encarregados de educação só foram alertados na semana passada depois de terem pedido uma reunião ao coordenador da escola.

  • Bruno de Carvalho manda SMS aos jogadores em nome dos jogadores. Confuso?

    Desporto

    De acordo com a imprensa desta manhã, o presidente do Sporting Clube de Portugal terá enviado mensagens escritas aos jogadores com o seguinte texto "Obrigado presidente pelas felicitações. Ainda temos muito para conquistar juntos" e assinou com o nome do jogador a quem enviou a mensagem. Uma aparente reação ao facto de nenhum dos jogadores ter respondido às mensagens escritas por Bruno de Carvalho, com incentivos e elogios antes e depois da vitória do Sporting frente ao Boavista.

  • Marcelo já sabia da substituição do embaixador de Angola
    4:00

    País

    O Presidente da República sabia há bastante tempo da substituição do embaixador de Angola em Lisboa e já tinha aprovado o nome do futuro representante de Luanda. A revelação foi feita, esta terça-feira, por Marcelo Rebelo de Sousa, numa conversa exclusiva com a SIC no Palácio de Belém. O Presidente contou ainda que não vai enviar recados ao Governo nem aos partidos no discurso de 25 abril que vai fazer na Assembleia da República.

    Exclusivo SIC

  • Chegaram os brinquedos de cartão para a consola
    6:24
  • Governo promete melhorar condições de 26 mil famílias
    1:23

    País

    O ministro do Ambiente explicou esta terça-feira, no Parlamento, as novas medidas para a habitação: reduzir os impostos para arrendamentos longos, melhorar as condições de 26 mil famílias e introduzir o arrendamento vitalício para maiores de 65 anos. Este é um investimento que vai chegar aos 1700 milhões de euros.

  • Pato em excesso de velocidade faz disparar radar numa estrada suíça
    1:31
  • O vestido de noiva de Megan Markle
    1:17