sicnot

Perfil

País

DGS garante que casos de sarna nas escolas não configuram risco de saúde pública

A Direção-Geral da Saúde esclareceu hoje que os casos de sarna nas escolas não justificam o encerramento dos estabelecimentos de ensino, nem quarentena obrigatória de crianças infetadas, por não configurar risco de saúde pública nacional e ser facilmente tratável.

Arquivo SIC

Quanto às razões para estar a aumentar o número de casos de escabiose (sarna) em escolas da região de Lisboa, a sub-diretora geral da Saúde, Graça Freitas, disse desconhecer se efetivamente se está a verificar um aumento ou se é um caso de "epidemia mediática", porque se começou a falar e a noticiar o assunto.

A verdade, disse à Lusa, é que "há frequentemente" casos de sarna - uma doença de pele contagiosa causada por um ácaro e que dá comichão intensa -- mas que não são noticiados.

Contudo, a responsável salvaguardou que, mesmo que se esteja a verificar um aumento de casos relativamente aos anos anteriores, não é a um nível que implique uma "epidemia nacional".

"É controlável com tratamento e passa rapidamente. Não configura um risco nacional para a saúde pública. Se aumentar, poderemos considerar uma intervenção [ao nível da DGS], mas para já não", afirmou.

Por enquanto, a sarna nas escolas é gerida a nível dos centros de saúde. A intervenção está a cargo dos ACES (agrupamentos de centros de saúde) e das ARS (administrações regionais de saúde).

Nas escolas em que há crianças com sarna, a solução passa por trata-las a todas, já que é uma doença "simples e de tratamento rápido".

"Tem é que ser feito o tratamento a sério", sublinhou, acrescentando que as orientações de saúde que existem para as escolas não contemplam a sarna como uma das doenças em que é necessário colocar a criança de quarentena.

Graça Freitas disse que cabe ao médico, se assim o entender, recomendar que a criança doente fique em casa durante 24 horas, após iniciar o tratamento, mas as escolas não podem vedar o seu acesso.

O próprio decreto regulamentar sobre as "doenças transmissíveis que originam evicção escolar" determina que "a sarna não consta da lista das doenças que afastam temporariamente da frequência escolar e demais atividades de ensino os discentes, pessoal docente e não docente".

No total já foram diagnosticados mais de 30 casos de sarna confirmados.

Só em Cascais há registo de 23 e em Alenquer registaram-se desde outubro seis. A estes juntam-se mais três em Loures, um na Póvoa de Santo Adrião e três em Leiria, noticiados hoje pelo Correio da Manhã.

Lusa

  • Cinco casos de sarna em escola de Cascais
    1:15

    País

    Desde o início do ano que já apareceram cinco casos de sarna na Escola Básica de Cascais. O caso foi prontamente comunicado às autoridades de saúde que entenderam não haver motivo para encerrar o estabelecimento de ensino. Já na semana passada a SIC deu conta de vários casos de sarna numa escola do Carregado.

  • Sete casos de sarna no Centro Escolar do Carregado
    3:48

    País

    Há sete casos de sarna no Centro Escolar do Carregado, uma escola com 530 crianças. O primeiro surgiu em outubro, mas os encarregados de educação só foram alertados na semana passada depois de terem pedido uma reunião ao coordenador da escola.

  • 100 dias de Trump em 04'30''
    4:33

    Pequenas grandes histórias

    Donald Trump tomou posse como 45º Presidente dos EUA dia 20 de janeiro de 2017, fez 100 dias este sábado. Prometeu grandes mudanças, mas os planos acabaram por chocar de frente com a realidade e a burocracia de Washington, como foi o caso do Obamacare. Foi a primeira ordem executiva que assinou, no dia em que tomou posse, mas a revogação está longe de acontecer.

  • Marcelo recebido por multidão na Ovibeja
    2:52