sicnot

Perfil

País

GNR registou mais de 2300 crimes ligados à internet em 2015

A GNR registou mais de 2300 crimes, associados à internet, em 2015, sendo as principais denúncias as burlas relacionadas com informática, comunicações e fraude bancária, segundo dados divulgados à agência Lusa.

Os dados foram divulgados por ocasião do Dia Europeu da Internet Segura, que se comemora todos os anos em fevereiro. (Arquivo)

Os dados foram divulgados por ocasião do Dia Europeu da Internet Segura, que se comemora todos os anos em fevereiro. (Arquivo)

Damian Dovarganes / AP

No âmbito do cibercrime, a GNR registou, em 2015, 1.360 crimes de burla informática e nas comunicações, e 706 de burla com fraude bancária.

Além destes crimes ligados à internet, aquela força de segurança recebeu ainda 190 denúncias relacionadas com a devassa da vida privada e violação de segredo, 120 de devassa da vida privada, por meio informático, e 11 de acesso indevido ou ilegítimo.

Os dados foram divulgados por ocasião do Dia Europeu da Internet Segura, que se comemora todos os anos em fevereiro.

Para assinalar a data, a GNR e a Microsoft Portugal promovem, na terça-feira, centenas de sessões, em todo o país, para alertar sobre os perigos do mundo 'online' e formas seguras de navegação na internet, numa ação que vai envolver cerca de 200 escolas, 75.000 crianças e jovens e 600 pais e encarregados de educação.

Pela primeira vez, a ação vai também incluir a população sénior, num total de 300 pessoas.

A sessão principal vai decorrer na Escola da Guarda, em Queluz, através da realização de uma aula interativa sobre segurança 'online', para 360 alunos do primeiro, segundo e terceiro ciclos de escolas dos concelhos de Sintra e Lisboa, além de 120 seniores.

Lusa

  • Três letras de Zeca Afonso

    Cultura

    No dia em que se assinalam 30 anos da morte de Zeca Afonso, Raquel Marinho, jornalista da SIC e divulgadora de poesia portuguesa contemporânea, escolhe três letras do cantor e autor para dizer, em forma de homenagem.

    Raquel Marinho

  • Cunhado do Rei de Espanha em liberdade sem caução

    Mundo

    Inaki Urdangarin vai mesmo aguardar o desenrolar do recurso em liberdade na Suíça, onde o marido da Infanta Cristina tem residência oficial e onde terá de se apresentar às autoridades uma vez por mês, para além de estar obrigado a comunicar qualquer deslocação fora da Europa. De fora fica ainda o pagamento da caução de 200 mil euros pedida pelo Ministério Público espanhol.