sicnot

Perfil

País

"Verdes" querem restringir publicidade a alimentos e combater obesidade infantil

O grupo parlamentar "Os Verdes" quer alterar o Código da Publicidade e proibir a publicidade a produtos alimentares em publicações e em programas televisivos dedicados a crianças.

Consumir peixe mais que três vezes por semana durante a gravidez aumenta o risco de obesidade nas crianças.

Consumir peixe mais que três vezes por semana durante a gravidez aumenta o risco de obesidade nas crianças.

© John Vizcaino / Reuters

O projeto de lei é discutido na sexta-feira e destina-se a regular a publicidade a produtos alimentares dirigida a crianças e jovens, alvos de mensagens sobre produtos que muitas vezes não são saudáveis.

Segundo um comunicado do partido ecologista, divulgado hoje, há estudos que assinalam o crescimento "para números chocantes" da obesidade infantil, pré-adolescente e adolescente, sabendo-se também que a alimentação e a aprendizagem alimentar das crianças é "determinante na saúde e na prevenção da obesidade".

Assumindo a importância da televisão e da internet junto dos jovens, com as crianças a passar várias horas por dia em frente da televisão, o Grupo lembra, na nota justificativa do projeto, que as crianças consomem de forma passiva as mensagens que lhes chegam através do écran, nomeadamente a publicidade (muitas vezes feita também por jovens).

"Os spots e filmes publicitários que apelam ao consumo de alimentos pobres em nutrientes e muito ricos em gordura, açúcar, sal e aditivos químicos, designadamente aperitivos, fritos, refrigerantes, bolos, chocolates, pré-cozinhados, ´fast-food´ ou ´junk-food´", apresentando-se muitas vezes como alimentação saudável, são "parte de um problema" que é o da "falta de educação para uma alimentação saudável", diz a nota.

O partido ecologista já tinha apresentado em 2006 um projeto de lei sobre a mesma matéria, partindo do princípio de que a publicidade a alimentos visando os jovens leva a práticas alimentares erradas e que essas práticas levam a doenças como a obesidade.

"Hoje, 10 anos depois, as mesmas razões continuam válidas", e apesar de "alguns passos", como o Regime da Fruta Escolar, muito está por fazer "no sentido de remeter para um consumo marginal" os fritos, os aperitivos hipersalinos ou os doces, que provocam diabetes, cáries, problemas renais e obesidade, diz o partido.

E acrescenta: "A ocorrência de diabetes de tipo 2 (anteriormente conhecida como a diabete dos adultos), de dislipidemia, hipertensão arterial e de problemas de ordem psico-comportamental, já se tornaram vulgares nas crianças e jovens, não se podendo descurar o papel que uma dieta alimentar desadequada desempenha neste contexto".

Nem o papel negativo de publicidade a alimentos centrada na imagem do produto, em mensagens subliminares, brindes, ofertas e promoções e não na sua importância dietética real.

O projeto de lei de "Os Verdes" altera o Código da Publicidade e torna proibida a publicidade e alimentos em publicações destinadas a público infantil e juvenil e na televisão em períodos dedicados aos mais jovens ou em filmes também com temática jovem. Também proíbe a publicidade na internet em páginas com conteúdos para jovens.

Lusa

  • "Estou a ficar sem água, vai ser um trabalho inglório"
    1:06

    País

    A SIC teve acesso a comunicações entre operacionais que estavam no terreno a combater os incêndios no distrito de Viseu. Nestes registos áudio, é percetível a falta de meios no terreno ou até mesmo estradas que não foram cortadas porque não havia elementos da GNR disponíveis.

  • "Quem está no Governo tem sérias responsabilidades"
    1:07

    Opinião

    Pacheco Pereira aponta falhas do Estado, dos bombeiros e da Proteção Civil como causa dos incêndios que assolaram o país no passado domingo. O comentador da SIC considera que o Governo tem responsabilidade perante o que aconteceu.

  • Presidente das Indústrias de Madeira diz que fogos estão a afetar o setor
    0:39

    País

    A Associação das Indústrias de Madeira e Mobiliário desvaloriza que os industriais do setor possam comprar madeira mais barata, em resultado dos incêndios florestais. Em entrevista na SIC Notícias, o presidente da associação, Vítor Poças, considera que os fogos estão a prejudicar gravemente a indústria.

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47