sicnot

Perfil

País

PSD declara "inequívoco apoio" à candidatura de Guterres às Nações Unidas

A Comissão Permanente do PSD declarou hoje "inequívoco apoio" à candidatura de António Guterres ao cargo de secretário-geral das Nações Unidas, referindo que Pedro Passos Coelho já transmitiu esta posição ao próprio e ao primeiro-ministro.

Geert Vanden Wijngaert

"A Comissão Permanente do PSD junta ao seu apoio, já pessoalmente transmitido pelo seu presidente, doutor Pedro Passos Coelho, quer ao próprio engenheiro António Guterres quer ao Governo português na pessoa do senhor primeiro-ministro doutor António Costa, votos de sucesso para a candidatura e desejos de que a comunidade internacional possa reconhecer o seu valor", lê-se numa nota enviada à agência Lusa.

Segundo a mesma nota, "tendo tomado conhecimento da intenção do engenheiro António Guterres se candidatar ao cargo de secretário-geral da Organização das Nações Unidas, a Comissão Permanente do PSD deliberou apresentar publicamente o inequívoco apoio à sua candidatura".

O órgão de direção nacional mais restrito do PSD menciona que António Guterres foi primeiro-ministro de Portugal e elogia o seu trabalho como Alto-Comissário das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), considerando que "acumulou uma experiência ímpar em termos internacionais" nessas funções.

"De facto, é reconhecido internacionalmente como tendo sido um dos mais competentes e efetivos líderes do ACNUR, onde desenvolveu um trabalho permanente de apoio humanitário e de antecipação e sensibilização para os fenómenos causadores de migrações em todo o mundo", acrescentam os sociais-democratas.

A 22 de janeiro, o primeiro-ministro, António Costa, anunciou através do jornal Público que o Governo do PS iria apresentar oficialmente, em fevereiro, a candidatura de António Guterres a secretário-geral da Nações Unidas.

No mesmo dia, o Ministério dos Negócios Estrangeiros emitiu um comunicado confirmando essa decisão.

Lusa

  • Bataglia deixou passar 12 milhões pela sua conta a pedido de Salgado
    2:05

    Operação Marquês

    O presidente da Escom e arguido na Operação Marquês Helder Bataglia terá admitido que Ricardo Salgado utilizou uma conta bancária do empresário, na Suíça, para passar 12 milhões de euros a Carlos Santos Silva, amigo de José Sócrates. O amigo de Sócrates e Bataglia terão combinado várias formas de não levantar suspeitas. A notícia é avançada pelo jornal Expresso na edição deste sábado.

  • Patrões não aceitam alterações ao acordo de concertação social
    2:25

    Economia

    As confederações patronais foram esta sexta-feira ao Palácio de Belém dizer ao Presidente da República que não aceitam que o Parlamento faça alterações ao acordo de concertação social. Os patrões dizem ainda ter esperança que o Parlamento não chumbe o decreto-lei que reduz a TSU das empresas com salários mínimos.

  • Dirigente derrotado da Gâmbia concorda em ceder poder

    Mundo

    O ex-presidente e candidato derrotado das eleições na Gâmbia, Yahya Jammeh, concordou em ceder o poder ao novo Presidente do país, empossado na quinta-feira, indicou esta sexta-feira um responsável governamental senegalês.