sicnot

Perfil

País

Portugal rejeita ameaças à liberdade de circulação e não-discriminação na União Europeia

O ministro dos Negócios Estrangeiros garantiu hoje que Portugal "fará tudo" para que o Reino Unido permaneça na União Europeia, mas alertou que rejeita soluções que ponham em causa "valores fundamentais" como liberdade de circulação e princípio de não-discriminação.

Ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva.

Ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva.

MIGUEL A. LOPES / Lusa

"Faremos tudo o que estiver ao nosso alcance para que o Reino Unido permaneça na União Europeia", disse o ministro Augusto Santos Silva, numa audição na comissão parlamentar de Negócios Estrangeiros e Comunidades Portuguesas, salientando que "a Europa não é a mesma sem o Reino Unido".

No entanto, o chefe da diplomacia portuguesa avisou que "qualquer solução não pode significar pôr em causa valores fundamentais e constitutivos" da União Europeia (UE), nomeadamente a liberdade de circulação, em particular dos trabalhadores no espaço da UE, e o princípio da não-discriminação, incluindo por razões de nacionalidade.

Portugal está disponível para "ajudar aquelas forças, a começar pelo Governo britânico, mas também do espetro parlamentar, na Câmara dos Comuns, e forças sociais, económicas e da sociedade civil, que neste momento batalham por uma vitória do 'Sim' no referendo que a Grã-Bretanha se comprometeu a convocar até ao fim de 2017, possivelmente já este ano", declarou o ministro, respondendo a uma pergunta do deputado do PSD Sérgio Azevedo.

"A Europa não é a mesma sem o Reino Unido. Isso é válido quer para a Europa no seu conjunto quer para o relacionamento particular que historicamente Portugal tem com o continente europeu, que capitaliza o mais que pode a dinâmica entre uma relação mais próxima com a Europa continental e uma relação igualmente próxima, histórica, com o Reino Unido", sustentou Santos Silva.

Portugal entende que "qualquer solução não pode significar pôr em causa valores fundamentais e constitutivos da União Europeia, em particular o princípio da liberdade de circulação, em particular dos trabalhadores em todo o espaço da União Europeia, e o princípio de não-discriminação, incluindo por razões de nacionalidade.

"Quer a discussão da proposta hoje feita pelo presidente [do Conselho Europeu, Donald] Tusk, quer a preparação da conformação técnica dessa proposta tem, do ponto de vista português, de salvaguardar estes dois princípios essenciais", declarou o responsável da diplomacia portuguesa.

A União Europeia propôs hoje um travão de quatro anos nos benefícios dos migrantes, no âmbito das negociações sobre o denominado 'Brexit', que prevê a realização de um referendo no Reino Unido sobre a permanência na UE.

O esboço das propostas da UE consta de uma carta do presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, que escreveu na sua conta da rede social Twitter "ficar ou não ficar junto, essa é a questão".

Na sua proposta para evitar a saída de Londres do espaço comunitário, o responsável europeu avançou com um "mecanismo de salvaguarda" para limitar até quatro anos as ajudas sociais aos migrantes europeus que se instalem no Reino Unido.

Lusa

  • Menino perdido na Praia da Luz foi levado à GNR por turista
    1:11

    País

    Um menino inglês, de sete anos, esteve desaparecido na quinta-feira na Praia da Luz, no Algarve, depois de se ter perdido dos pais. A GNR colocou duas equipas de investigação no local, mas ao fim de uma hora e meia o rapaz apareceu na esquadra de Lagos acompanhado por um turista a quem terá pedido ajuda.

  • Mais viagens mas menos turistas de Portugal
    1:22

    País

    Os residentes em Portugal - sejam portugueses ou estrangeiros - realizaram quatro milhões de viagens turísticas, só no primeiro trimestre do ano. Um aumento de mais de 6% nas viagens dentro do país face ao período homólogo e de mais de 15% nas viagens para fora, de avião. O estudo é do INE, o Instituto Nacional de Estatística, que permite fazer o retrato mais claro de quem viaja e porquê.

  • Algarve sozinho gera metade dos bens transacionáveis em Portugal
    4:14

    SIC 25 Anos

    O Algarve quase não tem indústria e os especialistas consideram que é excessivamente dependente do turismo. Ainda assim, sozinho contribui com metade do que Portugal gera em bens transacionáveis. A região tem problemas graves, como a falta de médicos e um custo de vida muito alto, mas continua a atrair a maior parte dos turistas e muitos estrangeiros decidem mesmo escolher a região para viver.

  • Sol e bom tempo são pilares da economia algarvia
    3:21

    SIC 25 Anos

    Na capital da região algarvia, o ouro vem do céu. O sol brilha em média 300 dias por ano, o que faz do Algarve o maior destino de férias em Portugal e um dos destinos turísticos mais procurados da Europa, sobretudo nos últimos tempos. É a âncara da economia e da criação de emprego.