sicnot

Perfil

País

Santuário de Fátima evita alarmismos por causa da visita do papa em 2017

O reitor do Santuário de Fátima, Carlos Cabecinhas, afirmou hoje que "qualquer alarmismo é dizer que o terrorismo está a vencer", mostrando-se contudo preocupado com eventuais ameaças aquando da vinda do papa Francisco a Portugal, em 2017.

LUSA

"A ameaça terrorista preocupa-nos a todos e tem de nos preocupar. No entanto, qualquer alarmismo é dizer que o terrorismo está a vencer. Uma linguagem alarmista relativamente à possibilidade de um atentado, e isso refere-se a qualquer lugar onde haja grande afluência de pessoas, significa estar a fazer o jogo dos grupos terroristas e estar a limitar a nossa vida precisamente com o terror", afirmou em resposta aos jornalistas o padre Carlos Cabecinhas, na conferência de apresentação do programa do centenário das aparições de Fátima.

O reitor acrescentou que é esse medo que "pretende toda a ação terrorista", que quer "limitar, levando a uma vivência em medo permanente do que possa vir a acontecer".

"Não embarcaremos nesse tipo de linguagem alarmista em relação aos perigos que possa haver. Tomamos as precauções e continuamos a achar que Fátima é um lugar seguro", garantiu Carlos Cabecinhas.

Sem avançar com uma previsão do número de pessoas que o Santuário prevê que estejam presentes nos dias 12 e 13 de maio de 2017, o reitor afirmou que procuram "estar preparados para o maior número possível".

"Esperamos uma larga e grande afluência de peregrinos durante todo este conjunto das celebrações, mas não nos é possível fazer qualquer estimativa em relação aos números. Esperamos um aumento de peregrinos em relação ao que é habitual e o habitual já é de grandes multidões em Fátima", sublinhou.

Quanto a medidas de segurança, o padre Carlos Cabecinhas informou que o Santuário tem os seus "próprios meios", que procuram que "estejam preparados para responder a qualquer eventualidade ao nível da segurança".

Mas também estão a "colaborar com as diversas entidades e instituições que têm essa responsabilidade para se procurar a maior segurança possível para todos os eventos" de modo a garantir, "naquilo que é possível, a maior segurança a todos aqueles que vêm a Fátima".

Lusa

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.