sicnot

Perfil

País

GNR regista 463 acidentes e um morto desde início da operação Carnaval

A GNR registou, entre sexta-feira e domingo, 463 acidentes, um morto e oito feridos graves, no âmbito da operação "Carnaval 2016", que se realiza até terça-feira, indicam dados provisórios da corporação.

A operação "Spring Break" termina no dia 28.(Arquivo)

A operação "Spring Break" termina no dia 28.(Arquivo)

SIC

O oficial de operações no comando-geral da GNR adiantou à agência Lusa que o morto foi resultado do acidente que hoje de madrugada se registou no Montijo.

A GNR está a realizar, desde as 00:00 de sexta-feira, a operação "Carnaval 2016", tendo reforçado o patrulhamento e a fiscalização rodoviária nas vias mais críticas, especialmente nas estradas que convergem aos locais onde tradicionalmente ocorrem festividades carnavalescas.

Durante a operação, que termina às 24:00 de terça-feira, a GNR realiza ações de fiscalização com o objetivo de prevenir a sinistralidade rodoviária, estando os militares especialmente atentos aos excessos de velocidade, condução sob influência de álcool e de substâncias psicotrópicas, além da não-utilização do cinto de segurança, uso do telemóvel durante a condução e falta de carta de condução.

No âmbito da operação, os militares da Guarda Nacional Republicana fiscalizaram, entre sexta-feira e as 14:00 de hoje, 9.527 condutores, dos quais 120 foram detidos por conduzirem com excesso de álcool e 18 por falta de habilitação legal para conduzir, adiantou o oficial de operações.

Segundo a GNR, foram também apanhados 1.121 condutores em excesso de velocidade e 327 com uma taxa de álcool superior ao permitido por lei.

A GNR registou ainda, entre sexta-feira e hoje, 2.833 contraordenações ao Código da Estrada, 183 das quais por falta de cinto de segurança ou cadeirinhas para crianças.

Na operação "Carnaval 2015" registaram-se 942 acidentes, três mortos, 10 feridos graves e 255 feridos ligeiros.

Lusa

  • PSP sensibiliza alunos contra o uso das bombas de Carnaval
    2:40

    É Carnaval

    A PSP esteve esta manhã numa escola de Vila Real a alertar os alunos para o perigo das bombas de Carnaval. Os jovens ficaram sensibilizados quando viram as possíveis consequências das brincadeiras com engenhos explosivos. As autoridades dizem desta forma têm conseguido reduzir significativamente o número de acidentes.

  • Michelle Obama partilhou momento de despedida da Casa Branca
    1:43
  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Trabalhadores da saúde iniciam greve nacional

    País

    Trabalhadores da saúde estão esta sexta-feira a cumprir uma greve a nível nacional para reivindicar a admissão de novos profissionais, exigir a criação de carreiras e a aplicação das 35 horas semanais a todos os funcionários do setor.

  • Portugal a tremer de frio
    3:07

    País

    Portugal continua a registar temperaturas negativas, sobretudo no Norte do país. Em Trás-os-Montes, por exemplo, marcaram mínimas de 11 graus abaixo de zero e os termómetros desceram tanto que congelaram rios, canalizações de água e até aquecimentos de escolas. Mas nem tudo é mau pois os produtores falam em boa época para curar fumeiro.

  • Juiz brasileiro morto em acidente aéreo investigava corrupção na Petrobras
    1:28
  • Zoo da Indonésia acusado de querer matar ursos à fome

    Mundo

    Um grupo de ativistas da Indonésia acusa o Jardim Zoológico de Bandung de estar a matar à fome os seus animais, incluindo os ursos-do-sol, para ser fechado. Um vídeo recentemente publicado mostra os ursos, que aparecem muito magros e a implorar por comida.

  • Podem as plantas ver, ouvir e até reagir?

    Mundo

    Um professor de Ciências Vegetais da Universidade de Missouri, nos Estados Unidos, passou quatro décadas a investigar as relações entre vegetais e insetos. Na visão de Jack Schultz, as plantas são "como animais muito lentos", que conseguem ver, ouvir, cheirar e até têm comportamentos próprios.