sicnot

Perfil

País

Sessão de "strip" na sede da Junta abre polémica em freguesia de Barcelos

O ex-presidente da Junta de Freguesia de Alvito S. Pedro, em Barcelos, insurgiu-se hoje contra a realização de uma sessão de striptease no salão daquela autarquia, sublinhando que foi uma iniciativa "absurda e indigna".

O espetáculo foi promovido pelo Grupo Recreativo e Cultural de Alvito S. Pedro para animar o Carnaval na freguesia.

O espetáculo foi promovido pelo Grupo Recreativo e Cultural de Alvito S. Pedro para animar o Carnaval na freguesia.

© Jason Reed / Reuters

"Não tenho nada contra o striptease em si, mas tenho tudo contra o facto de terem escolhido o edifício da junta para a sua realização", disse à Lusa José Silva, que foi presidente daquela autarquia durante 28 anos, até às últimas autárquicas, eleito pelo PS.

O espetáculo foi promovido pelo Grupo Recreativo e Cultural de Alvito S. Pedro, na noite de sexta-feira, para animar o Carnaval na freguesia.

Aquele grupo tem, desde 1998, um contrato de comodato com a junta, válido por 50 anos, para ali instalar a sua sede.

"Uma coisa é a sede, que é apenas utilizada pelo grupo, outra coisa é o salão, que pode ser utilizado por todos, desde grupos, escolas, associações de pais e junta de freguesia", sublinhou o ex-autarca.

José Silva garantiu que vai levar o assunto à próxima Assembleia de Freguesia, para tentar evitar que se voltem a repetir "espetáculos do género" num edifício público.

"Há muita gente na freguesia indignada e com toda a razão, foi uma ideia absurda e indigna", sublinhou.

Contactada pela Lusa, a atual presidente da União de Freguesias de Alvito (S. Pedro e S. Martinho) e Couto disse que o grupo tem, ao abrigo do referido contrato de comodato, "toda a liberdade" para lá promover as iniciativas "que bem entender".

"A junta não pode, obviamente, interferir no plano de atividades do grupo", acrescentou Paula Belchior (PSD/CDS), para quem a polémica levantada à volta do striptease "não passa de uma tentativa de aproveitamento político".

No entanto, Paula Belchior acrescentou que o seu executivo "está aberto" para discutir um eventual "reajustamento" do texto do contrato de comodato, se alguém apresentar uma proposta nesse sentido.

"O contrato foi assinado pelo meu antecessor, o mesmo que agora vem levantar a polémica", assinalou, vincando que a contestação ao show de striptease "se restringe" a não mais de meia dúzia de pessoas.

A Lusa contactou igualmente o presidente do Grupo Recreativo e Cultural de Alvito S. Pedro, Zacarias Leiras, que também desvalorizou as críticas e as atribuiu a motivações políticas.

Leiras lembrou que ele próprio já foi candidato à Junta de Alvito S. Pedro contra José Silva e admitiu que isso "possa ter deixado algumas marcas", mas vincou que a contestação ao "strip" não passa "de uma guerra de um homem só".

"O strip foi masculino e feminino, tivemos lá uma 70 a 80 pessoas, incluindo casais, e toda a gente se mostrou agradada com o espetáculo", assegurou.

Admitiu ainda que as críticas possam ter a ver com "algum preconceito" em relação a iniciativas "um bocadinho mais arrojadas ou fora do comum para um determinado meio".

Lusa

  • Surto de hepatite A em Portugal
    2:45
  • A rã que brilha no escuro
    2:08
  • Indonésio encontrado dentro de cobra pitão

    Mundo

    Akbar Salubiro, de 25 anos, esteve perto de 24 horas desaparecido na remota ilha indonésia de Sulawesi. Acabou por ser encontrado um dia depois, no jardim da própria casa, dentro de uma pitão de 7 metros.

  • Relação de Portugal com Angola é "insubstituível"
    1:00

    País

    Paulo Portas considera que a relação de Portugal com Angola é insubstituível. Numa entrevista ao Jornal de Negócios, o ex vice-primeiro-ministro defende que o país deve ser profissional no relacionamento político com Luanda.

  • Abertura da lagoa de Santo André atrai surfistas e bodyboarders
    4:15
  • Tecnologia permite a tetraplégico mexer mão e braço

    Mundo

    Um homem que ficou tetraplégico num acidente voltou a mover-se com a ajuda da tecnologia e apenas usando o pensamento, num projeto de investigadores dos Estados Unidos divulgado esta terça-feira na revista especializada em medicina The Lancet.