sicnot

Perfil

País

Chuva e ventos fortes e descida das temperaturas no fim de semana

Chuva e vento fortes, agitação marítima e descida das temperaturas mínimas e máximas vão marcar tempo no fim de semana em Portugal continental. O Instituto Português do Mar e da Atmosfera colocou sete distritos em Aviso Laranja.

JOSE COELHO

De acordo com a informação disponibilizada pelo IPMA, os distritos do Porto, Viana do Castelo, Lisboa, Leiria, Aveiro, Coimbra e Braga estão sob Aviso laranja.

O meteorologista Ricardo Tavares, do IPMA, disse à Lusa que nos distritos de Viana do Castelo, Braga, Porto, Aveiro e Coimbra prevê-se que os valores da precipitação acumulada possam atingir 200 milímetros em 48 horas, pelo que se encontram sob Aviso Laranja até às 18:00 de sábado.

O Aviso Laranja é o segundo mais grave numa escala de quatro e significa uma situação meteorológica de risco moderado a elevado.

"Hoje e amanhã [sábado], vamos ter precipitação por todo o território, em especial nas regiões norte e centro e a litoral a norte do cabo Mondego. A precipitação vai colocar em 'Aviso Amarelo' todas as regiões a norte e centro", disse Ricardo Tavares.

O meteorologista realçou ainda que o vento soprará forte durante o fim de semana, com a situação a agravar-se no domingo, com as rajadas que podem vir a atingir os 85 quilómetros/hora no litoral e os 110 km/hora nas terras altas.

Também no domingo e devido ao estabelecimento de um fluxo forte de noroeste, com transporte de ar polar, haverá uma descida significativa das mínimas e das máximas, queda de neve, intensificação do vento e aumento da agitação marítima, de acordo com o especialista.

Ricardo Tavares explicou que a descida das temperaturas máximas e mínimas vai ser na ordem do 4 a 5 graus Celsius, continuando a descer no início da próxima semana, sendo esperadas na segunda-feira temperaturas no litoral oeste abaixo dos cinco graus, enquanto nas regiões norte e centro do país são esperadas termómetros abaixo dos zero graus.

"No domingo, com a entrada do ar mais frio e continuação de precipitação em forma de aguaceiros, vamos ter queda de neve nas quotas baixas, acima dos 600 metros de altitude, com acumulação de neve que pode ser superior a 5 cm", avançou.

Ricardo Tavares alertou ainda para a agitação marítima já a partir de sábado, com ondas de quatro a cinco metros de altura esperadas a norte do Cabo Raso, enquanto no domingo podem chegar aos 12 metros de máxima, o que levou o IPMA a colocar sob Aviso Laranja todo o país.

Os distritos do Porto, Viana do Castelo e Braga vão estar sob Aviso Laranja por causa da agitação marítima entre as 09:00 e as 18:59 de domingo, dia 14, com o IPMA a alertar para ondas de noroeste com cinco a sete metros, que podem atingir entre 10 a 12 metros de altura máxima.

Também os distritos de Lisboa, Leiria, Aveiro e Coimbra estão também sob 'Aviso Laranja' por causa da agitação marítima, entre as 09:00 e as 18:59 de domingo, com ondas de noroeste com cinco a sete metros que podem chegar aos 12 metros de altura máxima.

Lusa

  • O percurso dos rendimentos de Ronaldo
    3:43

    Football Leaks

    O Ministério das Finanças espanhol abriu uma investigação a Cristiano Ronaldo, por eventuais irregularides na declaração dos rendimentos da publicidade. A Gestifute, empresa do agente do avançado do Real Madrid, garante que Ronaldo tem os impostos em dia. A investigação aos documentos extraídos da plataforma informática Football Leaks, liderada pela revista alemã Der Spiegel, e da qual faz parte o jornal Expresso, conseguiu traçar o percurso dos rendimentos do melhor jogador do mundo.

  • Fábio Coentrão investigado por suspeita de delitos fiscais
    3:37

    Football Leaks

    O Ministério Público de Madrid acusou o defesa português Ricardo Carvalho de evasão fiscal e está a investigar Fábio Coentrão por eventuais delitos fiscais. Além dos dois portugueses a justiça acusou ainda o espanhol Xabi Alonso, o argentino Ángel Di María e investiga o colombiano Falcão. As investigações surgem depois da revelação do caso Football Leaks, investigada pelo Expresso e pelo consórcio europeu de jornalistas que tiveram acesso a milhões de documentos.