sicnot

Perfil

País

Sobem para 27 os deslocados de acampamento cigano inundado em Valença

O número de pessoas obrigadas hoje a sair de um acampamento cigano de Valença, na sequência de inundação provocada pelo caudal do rio Minho, subiu para 27, disse à agência Lusa fonte da proteção civil.

Segundo o Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Viana do Castelo, as 27 pessoas foram deslocadas para um salão da Junta de Freguesia de Valença.

Inicialmente tratava-se de um grupo de 20 pessoas, a quem, numa primeira fase, a Câmara local disponibilizou duas habitações no concelho.

"Posteriormente, apareceram mais sete pessoas do mesmo acampamento e a autarquia decidiu deslocá-las para o salão da Junta de Freguesia de Valença", explicou a fonte do CDOS de Viana do Castelo.

O acampamento, situado junto ao cais, por baixo da ponte Eiffel de Valença, foi inundado cerca das 10:00 com a subida das águas do rio Minho.

Ainda de acordo com a fonte do CDOS, a situação encontra-se "estável" nos concelhos de Ponte de Lima e Ponte da Barca, afetados pela subida do caudal do rio Lima, na sequência da chuva intensa que se faz sentir na região e das descargas das barragens do Touvedo e Alto Lindoso.

Lusa

  • "Os governos são diferentes mas o povo é o mesmo"
    0:45

    Economia

    O Presidente da República atribui o resultado do défice do ano passado ao espírito de sacrifício do povo português. Num jantar em Coimbra para assinalar o Dia do Estudante, Marcelo Rebelo de Sousa considerou ainda que o valor do défice de 2016 é a prova de que com governos diferentes conseguem-se os mesmos objetivos.

  • Recuo na saúde é primeira derrota de peso para Donald Trump
    1:18

    Mundo

    O Presidente norte-americano sofreu esta sexta-feira uma derrota de peso. O líder da Câmara dos Representantes retirou a proposta do plano de saúde de Trump, que se preparava para um chumbo na câmara baixa do Congresso. Para já, mantém-se o Obamacare.

  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.