sicnot

Perfil

País

Quedas de árvores são a maioria das 72 ocorrências registadas desde as 00:00

A Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) registou hoje, até às 08:00, 73 ocorrências devido ao mau tempo, a maioria quedas de árvores, deslizamento de terras e inundações, sendo os mais afetados distritos de Braga, Coimbra e Porto.

PAULO NOVAIS

"Desde as 00:00 de hoje, e até às 08:00, registámos um total de 73 ocorrências que envolveram 225 operacionais e 89 veículos" da proteção civil, disse à agência Lusa fonte da ANPC.

Das 73 ocorrências registadas, 32 referem-se a quedas de árvores, 10 a movimentos de vertentes entre os quais se destaca o deslizamento de terras, 10 a inundações, 11 a quedas estruturas, a maioria pequenas como reclames luminosos, e 10 a limpezas de vias.

"A situação de estradas cortadas mantem-se" em relação a sábado, adiantou a mesma fonte, acrescentando que ao todo estão cortadas 17 estradas nacionais e duas autoestradas, a A25 no distrito de Aveiro, entre o nó do Estádio e Angeja, e a A41 no sentido este-oeste em Alfena no concelho de Valongo.

O Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) colocou hoje sete distritos do país sob 'Aviso Vermelho' (o aviso mais grave do IPMA, numa escala de quatro, que indica situações meteorológicas de risco extremo), até segunda-feira devido à previsão de agitação marítima, com ondas que podem atingir os 14 metros.

O IPMA colocou também dez distritos sob aviso meteorológico laranja, o segundo mais grave aviso de uma escala de quatro.

Por causa também do mau tempo, nove das 23 barras do continente foram fechadas à navegação devido à agitação marítima e na zona norte apenas o porto de Leixões está aberto a toda a navegação, segundo a Autoridade Marítima Nacional na sua página de internet.

Lusa

  • Nove barras do continente fechadas

    País

    Nove das 23 barras do continente foram fechadas à navegação devido à agitação marítima e na zona norte apenas o porto de Leixões está aberto a toda a navegação, informa a Autoridade Marítima Nacional na sua página de internet.

  • Captura ilegal de cavalos-marinhos na Ria Formosa
    3:02

    País

    Há cada vez menos cavalos marinhos na Ria Formosa. Cientistas da Universidade do Algarve dizem que a maior população desta espécie no mundo, que é a que existe na Ria Formosa, está ameaçada devido à captura ilegal para o mercado asiático. Dizem que, se nada for feito para travar este fenómeno, esta espécie protegida pode desaparecer em poucos anos.