sicnot

Perfil

País

País regressa à normalidade após o mau tempo

O mau tempo começou a aliviar a noite passada, esta manhã a situação está mais calma. O país começa a regressar à normalidade. É tempo para começar a fazer balanços aos estragos, depois da chuva intensa que caiu durante o fim de semana.

Estradas e casa inundadas devido à chuva e à subida das águas do rio Mondego, no Baixo Mondego, Coimbra.

Estradas e casa inundadas devido à chuva e à subida das águas do rio Mondego, no Baixo Mondego, Coimbra.

PAULO NOVAIS/LUSA

"Para já, mantêm-se cortadas duas estradas no município de Coimbra, em Soure e Montemor-o-Velho, devido a inundações, e também a linha ferroviária do norte, também em Coimbra. Em Penacova há também uma estada cortada devido a um desmoronamento. Mas o país está a regressar à normalidade", adiantou à Lusa fonte da Proteção Civil.

De acordo com a mesma fonte, as estradas de acesso ao maciço central da Serra da Estrela mantêm-se fechadas ao trânsito devido ao forte nevão que caiu domingo na região.

O mau tempo que atingiu este fim de semana Portugal continental, sobretudo as regiões Norte e Centro, causou a morte de um ciclista, várias inundações e quedas de árvores, interrupção de ligações ferroviárias e o encerramento de barras marítimas.

O corpo do ciclista, que foi arrastado no sábado pela enxurrada junto ao Rio Vouga, na estrada da Cambeia, Angeja, Albergaria-a-Velha, foi encontrado no domingo à tarde.

Segundo a Proteção Civil, a maioria das situações verificadas no domingo, sobretudo no norte e centro do país, fustigados por chuva intensa e vento forte, prendeu-se com inundações, quedas de árvores e infraestruturas e deslizamentos de terra.

O Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) colocou hoje sete distritos do continente sob Aviso Vermelho, o mais grave de uma escala de quatro, devido a agitação marítima forte.

De acordo com o instituto, os distritos de Viana do Castelo, Braga, Porto, Aveiro, Coimbra, Leiria e Lisboa estão sob Aviso Vermelho desde as 02:00 e até às 12:00 de hoje devido à previsão de agitação marítima forte, com ondas de noroeste com 7 a 8 metros, podendo atingir os 14 metros.

Estes sete distritos passam depois às 12:00 e até às 18:00 de hoje a Aviso Laranja, o segundo mais grave de uma escala de quatro.

O IPMA colocou também os mesmos distritos sob Aviso Amarelo devido à previsão de vento forte com rajadas da ordem dos 90 quilómetros por hora em especial no litoral e que poderão atingir os 100 quilómetros por hora nas terras altas entre as 02:00 e as 18:00 de hoje.

Já a Marinha Portuguesa fechou hoje dez barras de Portugal continental e condicionou outras duas devido à previsão de agitação marítima forte.

Segundo a Marinha portuguesa, as barras de Caminha, Vila Praia de Âncora, Esposende, Póvoa de Varzim, Vila do Conde, Douro, Aveiro, Figueira da Foz, Nazaré e São Martinho do Porto estão hoje fechadas a toda a navegação devido à agitação marítima.

A Marinha indica também que as barras de Viana do Castelo e Faro estão fechadas a embarcações com calado inferior a 30 e 10 metros, respetivamente.

Com Lusa

  • 60 milhões de crianças com menos de 5 anos vão morrer entre 2017 e 2030

    Mundo

    Cerca de 15 mil crianças com menos de cinco anos morreram em 2016 em todo o mundo, e 46% destas morreram nos primeiros 28 dias de vida, segundo um relatório divulgado na quarta-feira pela Unicef. Apesar de se ter registado uma descida da mortalidade nos primeiros cinco anos de vida, de 9,9 milhões de mortes em 2000 para 5,6 milhões em 2016, a proporção de recém-nascidos entre os falecidos aumentou de 41% para 46% neste período.

  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15

    Opinião

    José Gomes Ferreira diz que as pessoas que ateiam fogo nas florestas sabem "estudar os dias e o vento para arder o máximo possível". Em entrevista no Jornal da Noite, o diretor-adjunto de Informação da SIC, fala na importância de haver uma auditoria para tentar perceber o porquê de haver tantas ignições e saber se há alguém que ganhe com esta vaga de incêndios. 

    José Gomes Ferreira

  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.