sicnot

Perfil

País

Bastonário da Ordem dos Médicos admite referendo interno sobre eutanásia

O bastonário da Ordem dos Médicos defendeu esta quarta-feira a necessidade de realizar um referendo à classe médica para uma eventual alteração ao Código Deontológico caso seja despenalizada a morte assistida.

(Arquivo)

(Arquivo)

SIC

"Não é possível alterar o Código Deontológico numa questão tão fraturante sem ouvir os médicos", afirmou à agência Lusa o bastonário José Manuel Silva no final de um debate sobre eutanásia ou morte assistida promovido pela Ordem dos Médicos.

José Manuel Silva disse, contudo, que a Ordem vai promover primeiro debates alargados e públicos sobre o tema, passando depois a um debate interno da classe.

Caso haja necessidade de adequar o Código Deontológico a uma alteração legislativa que permita a morte assistida a pedido, o passo necessário será a realização de um referendo, admitiu.

No debate sobre eutanásia, o oncologista Jorge Espírito Santo foi um dos que defendeu que o tema tem de ser debatido internamento pelos médicos, que estão formatados para salvar vidas e ajudar a morrer com dignidade.

O oncologista defendeu que os cuidados paliativos "não servem a toda a gente", considerando que a eutanásia deve ser uma escolha individual permitida.

"Não é verdade que os cuidados paliativos sirvam a toda a gente", afirmou, especificando que "não resolveram todos os problemas" porque há doentes que não aceitam, de forma consciente, determinado tipo de limitações.

"A grande maioria dos problemas é resolvida com bons cuidados paliativos. Mas há pessoas que não aceitam em consciência as limitações e colocam a questão da morte aos seus médicos assistentes. São casos e situações excecionais mas existem", declarou à Lusa.

Também o neurologista e médico intensivista Pedro Ponce sublinhou que os cuidados paliativos "nem sempre têm sucesso absoluto", lembrando ainda que os paliativos de qualidade não chegam à maior parte da população portuguesa, não sendo expectável que isso aconteça nos próximos anos.

O médico citou dados do Estado norte-americano de Oregon, que demonstram que, com cuidados paliativos de exceção, 46 por cento dos candidatos a suicídio assistido vieram a desistir dessa opção, havendo uma fatia considerável que manteve a intenção de pôr fim à vida.

"Mesmo sendo de grande sucesso, [os cuidados paliativos] não são realmente a resposta para todos", argumentou.

Em contraponto, a médica de cuidados paliativos e deputada do CDS-PP, Isabel Galriça Neto, sublinhou que os cuidados paliativos intervêm diretamente no sofrimento "não deixando que ele se torne insuportável".

Para esta especialista, a eutanásia ou suicídio assistido é uma intervenção que "termina com a vida e não com o sofrimento".

"Para mim, é uma linha vermelha. Como médica, acho que a sociedade espera que ajude a viver e a morrer com o máximo de dignidade mas não quero ajudar a matar", declarou.

O debate na Ordem dos Médicos foi promovido depois de o tema da eutanásia estar no centro da discussão em alguns setores da sociedade, após a divulgação de um manifesto assinado por mais de 100 personalidades que defendem a despenalização da morte assistida.

Lusa

  • As primeiras reações à morte de Chester Bennington

    Cultura

    Chester Bennington, vocalista da banda de metal alternativo Linkin Park, morreu esta quinta-feira em casa em Palos Verdes Estates, no estado da Califórnia, nos EUA. Várias celebridades já reagiram à morte do músico de 41 anos. Segundo o TMZ, o cantor da banda norte-americana suicidou-se.

  • O perfil do novo herói do surf português
    3:43
  • O que resta do navio de salvamento mais famoso de Portugal?
    15:26
  • O. J. Simpson vai sair em liberdade condicional

    Mundo

    A antiga estrela de futebol americano O. J. Simpson vai sair em liberdade condicional, depois de ter cumprido nove anos de prisão num estabelecimento prisional do estado do Nevada, nos Estados Unidos.

  • Filho do leão Cecil também foi abatido por um caçador

    Mundo

    Xanda pode ter tido o mesmo fim que o seu pai, o leão Cecil, que em 2015 foi abatido por um caçador, no Zimbabué. Na altura, a morte de Cecil tomou proporções inéditas, chegando uma imagem do leão a ser projetada na fachada do Empire State Building. Agora, Xanda terá sido abatido a tiro por um caçador de troféus.