sicnot

Perfil

País

Bombeiro acusado de atear fogos julgado hoje em Coimbra

O Tribunal de Coimbra começa a julgar hoje, às 14:00, um jovem de 20 anos que pertencia aos Bombeiros Voluntários de Condeixa-a-Nova e que está acusado de atear vários fogos entre março e maio de 2015.

(arquivo)

(arquivo)

Lusa (Arquivo)

O jovem, que esteve nos Bombeiros Voluntários de Condeixa-a-Nova entre 2013 e maio de 2015, é acusado pelo Ministério Público de 12 crimes de incêndio florestal agravado, cometidos entre 09 de março e 16 de maio.

O ex-bombeiro, após alegadamente atear os fogos, "dirigia-se para o quartel" dos bombeiros de Condeixa-a-Nova e comunicava, por telefone, ao Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Coimbra as ocorrências, participando depois ativamente no combate aos incêndios, refere o despacho de acusação a que a agência Lusa teve acesso.

O arguido, residente em Condeixa-a-Nova, distrito de Coimbra, terá ateado várias vezes mais do que um foco de incêndio no mesmo dia. Apesar disso, os fogos nunca atingiram grandes proporções.

O incêndio de maiores dimensões ocorreu a 16 de maio, dia em que o arguido terá ateado dois focos de incêndio em zona de pinheiro e eucalipto, próxima de localidades, que mobilizou 30 bombeiros e nove viaturas (três das quais sofreram danos no combate ao incêndio) de Condeixa-a-Nova, Soure, Penela, Brasfemes e Montemor-o-Velho.

Nesse dia, arderam cerca de 2,3 hectares de floresta.

O jovem tem como medida de coação obrigação de permanência na habitação sem vigilância eletrónica, através de controlo pela autoridade policial.

Lusa

  • Fogo em Setúbal dominado
    2:31

    País

    O incêndio que deflagrou na terça-feira em Setúbal está dominado. As chamas chegaram a ameaçar as casas, o que obrigou à retirada de cerca de 500 pessoas das habitações, como medida de precaução. Também o Hotel do Sado teve de ser evacuado.

  • "Lancei um tema que os portugueses há muito queriam discutir"
    11:26
  • Danos Colaterais 
    18:55
    Reportagem Especial

    Reportagem Especial

    Jornal da Noite

    Nos últimos oito anos a banca perdeu 12 mil profissionais. A dimensão de despedimentos no setor é a segunda maior da economia portuguesa, só ultrapassada pela construção civil. A etapa mais complexa da história começou em 2008, com a nacionalização do BPN. Desde então, as saídas têm sido a regra. A reportagem especial desta terça-feira, "Danos Colaterais", dá voz aos despedidos da banca.