sicnot

Perfil

País

Portugueses vão poder escolher serviços de saúde dentro de dois ou três anos

O ministro da Saúde anunciou que dentro de dois ou três anos os portugueses poderão escolher os serviços de saúde e que a arma para cativar os utentes serão «a qualidade, o desempenho e a transparência».

Reuters (Arquivo)

Adalberto Campos Fernandes falou aos jornalistas no final da cerimónia de comemoração do primeiro transplante cardíaco, realizado há 30 anos no Hospital de Santa Cruz, em Carnaxide.

«A arma (para os serviços de saúde cativarem os utentes) é a qualidade, é o desempenho e a transparência. Temos de ter um Serviço Nacional de Saúde exigente consigo próprio e que gosta de ser avaliado», disse.

De acordo com o ministro, estão ainda a ser feitos «os estudos necessários», mas as primeiras medidas serão ensaiadas já a partir de abril, quando forem assinados os primeiros contratos-programa com os hospitais.

Esta livre escolha deverá estar a funcionar em pleno daqui a dois, três anos.

O ministro disse também que «a transplantação é uma prioridade política» desta equipa ministerial e sublinhou a importância desta efeméride que recorda o primeiro transplante cardíaco em Portugal.

Lusa

  • Médicos dizem que plano de contigência do frio aplicado pelo Ministério não alivia urgências
    1:45

    País

    Os médicos defendem que o plano de contingência do frio aplicado pelo Ministério da Saúde não está a aliviar as urgências dos hospitais. O objetivo passava por encaminhar os doentes para os centros de saúde mais próximos, mas tal não aconteceu. As pessoas não optam pelos centros de saúde, mas estes centros também não têm meios e instrumentos básicos de saúde, como termómetros. A Ordem dos Médicos realizou um inquérito aos clínicos dos centros de saúde da zona Centro que acabou por revelar que o alargamento de horário até às 22:00 não valia pena, devido à falta de doentes.

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.