sicnot

Perfil

País

Vieira da Silva diz que fuga de cérebros do país compromete crescimento da economia

O ministro do Trabalho disse esta sexta-feira que a fuga de cérebros de Portugal compromete o crescimento da economia, defendendo o enquadramento destes jovens qualificados em empresas, através da cooperação com universidades e centros tecnológicos.

Lusa

Lusa

MIGUEL A. LOPES

Este foi um dos temas debatidos na reunião que decorreu, hoje e na quinta-feira, em Estocolmo, promovida pela ministra sueca do Trabalho, Ylva Johansson, designada «Aprendizagem Mútua de Alto Nível», dedicada ao tema «Desenho e implementação de estratégias efetivas de apoio à integração e retenção de jovens em risco, no mercado de trabalho».

No encontro, o ministro português Vieira da Silva afirmou que «o risco de fuga de cérebros e o fraco retorno do investimento público em educação» compromete «o potencial de crescimento da economia portuguesa».

«Há países que estão a receber muitos milhares de jovens e há outros países, como Portugal, que estão a perder milhares de jovens e com elevada qualificação».

Vieira da Silva adiantou que haverá sempre jovens que procurarão completar a sua formação profissional ou dar os primeiros passos da sua vida ativa no estrangeiro.

«Isso sempre aconteceu, desde que estamos na União Europeia. O problema é quando esse número se transforma num número muito relevante e afeta o país como um todo, e é isso que estamos empenhados em combater», sublinhou.

Vieira da Silva considerou que travar a saída destes jovens do país «é um trabalho difícil», porque «funciona um pouco como uma bola de neve», uns jovens vão seguindo outros e, às vezes, até partem por ligações familiares.

«Não é tão fácil travar (esta corrente) como foi infelizmente rápido o crescimento desta emigração, mas um aspeto fundamental é favorecer o enquadramento, nas empresas que trabalham em Portugal, desses jovens, através de estímulos à cooperação entre universidades e empresas, e centros tecnológicos e as empresas», defendeu.

Para o ministro, e economia portuguesa deve valorizar melhor as qualificações dos jovens, porque, "em muitos casos, essa saída já não é devida à falta de emprego, mas sim às remunerações que caíram significativamente e que são inferiores àquelas que se podem obter noutros países".

O ministro afirmou, no encontro, que «elevados níveis de desemprego combinados com a instabilidade no mercado de trabalho e a deterioração das vantagens associadas ao prolongamento da escolaridade, tem empurrado milhares de jovens trabalhadores qualificados para a procura de melhores oportunidades fora de Portugal».

Lusa

  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15
  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.