sicnot

Perfil

País

Vieira da Silva diz que fuga de cérebros do país compromete crescimento da economia

O ministro do Trabalho disse esta sexta-feira que a fuga de cérebros de Portugal compromete o crescimento da economia, defendendo o enquadramento destes jovens qualificados em empresas, através da cooperação com universidades e centros tecnológicos.

Lusa

Lusa

MIGUEL A. LOPES

Este foi um dos temas debatidos na reunião que decorreu, hoje e na quinta-feira, em Estocolmo, promovida pela ministra sueca do Trabalho, Ylva Johansson, designada «Aprendizagem Mútua de Alto Nível», dedicada ao tema «Desenho e implementação de estratégias efetivas de apoio à integração e retenção de jovens em risco, no mercado de trabalho».

No encontro, o ministro português Vieira da Silva afirmou que «o risco de fuga de cérebros e o fraco retorno do investimento público em educação» compromete «o potencial de crescimento da economia portuguesa».

«Há países que estão a receber muitos milhares de jovens e há outros países, como Portugal, que estão a perder milhares de jovens e com elevada qualificação».

Vieira da Silva adiantou que haverá sempre jovens que procurarão completar a sua formação profissional ou dar os primeiros passos da sua vida ativa no estrangeiro.

«Isso sempre aconteceu, desde que estamos na União Europeia. O problema é quando esse número se transforma num número muito relevante e afeta o país como um todo, e é isso que estamos empenhados em combater», sublinhou.

Vieira da Silva considerou que travar a saída destes jovens do país «é um trabalho difícil», porque «funciona um pouco como uma bola de neve», uns jovens vão seguindo outros e, às vezes, até partem por ligações familiares.

«Não é tão fácil travar (esta corrente) como foi infelizmente rápido o crescimento desta emigração, mas um aspeto fundamental é favorecer o enquadramento, nas empresas que trabalham em Portugal, desses jovens, através de estímulos à cooperação entre universidades e empresas, e centros tecnológicos e as empresas», defendeu.

Para o ministro, e economia portuguesa deve valorizar melhor as qualificações dos jovens, porque, "em muitos casos, essa saída já não é devida à falta de emprego, mas sim às remunerações que caíram significativamente e que são inferiores àquelas que se podem obter noutros países".

O ministro afirmou, no encontro, que «elevados níveis de desemprego combinados com a instabilidade no mercado de trabalho e a deterioração das vantagens associadas ao prolongamento da escolaridade, tem empurrado milhares de jovens trabalhadores qualificados para a procura de melhores oportunidades fora de Portugal».

Lusa

  • Maria Cavaco Silva "muito espantada" com caso Raríssimas
    0:56

    País

    Maria Cavaco Silva disse hoje que ficou surpreendida e preocupada com as suspeitas de irregularidades na associação Raríssimas. A ex-primeira dama garante que desconhecia a situação e afirma que Portugal não é "abonado" ao ponto de poder desperdiçar o trabalho feito, lembrando que os utentes não podem sofrer com a polémica.

  • Lince ibérico esteve à venda no OLX

    País

    Um anúncio de venda de um lince ibérico, por 1.500 euros, foi publicado esta semana no site de classificados OLX, com uma morada de Alcoutim, no Algarve. A autenticidade da publicação não foi confirmada, mas em setembro foi encontrada a coleira de um lince ibérico precisamente em Alcoutim. As autoridades estão a investigar.

    SIC

  • "O futuro da Autoeuropa não está em causa"
    0:43

    Economia

    O secretário de Estado do Trabalho apelou a que os partidos não se intrometam nas negociações entre os trabalhadores e a administração da Autoeuropa. Em entrevista à Edição da Noite da SIC Notícias, Miguel Cabrita afastou a hipótese de estar em causa o encerramento da fábrica de Palmela. 

  • Uma "Árvore da Esperança" pelas vítimas dos fogos
    2:01
  • Zapatou volta a eleger os melhores vídeos da internet
    6:28