sicnot

Perfil

País

Esquerda e PAN votam favoravelmente ao restabelecimento de feriados

Os partidos da esquerda e o PAN votaram hoje favoravelmente o texto final da Comissão de Trabalho e Segurança Social sobre os projetos de restabelecimento dos feriados nacionais suprimidos, com PSD e CDS-PP a absterem-se na votação dos textos.

O PS, PCP, "Os Verdes" e Bloco de Esquerda e o PAN deram "luz verde" aos projetos de lei.

O PS, PCP, "Os Verdes" e Bloco de Esquerda e o PAN deram "luz verde" aos projetos de lei.

ANT\303\223NIO COTRIM

Os textos foram apresentados por PS, PCP, "Os Verdes" e Bloco de Esquerda (BE), e todos esses partidos, mais o PAN, deram "luz verde" aos projetos de lei, com PSD e CDS-PP a absterem-se na votação do texto final da comissão parlamentar referente aos projetos de lei das forças políticas à esquerda.

Em janeiro, todos os partidos, exceto o PAN, apresentam projetos parlamentares sobre os quatro feriados suprimidos em 2013, com a esquerda a defender a reposição dos mesmos e PSD/CDS-PP a proporem uma "avaliação" da matéria.

Os projetos estiveram inicialmente agendados para discussão em novembro do ano passado, mas os partidos acordaram então em avançar com uma consulta pública do tema e só depois retomar a discussão da matéria.

Em 2012, com efeitos a partir de 2013, o Governo liderado por Pedro Passos Coelho suprimiu quatro feriados: dois religiosos, o de Corpo de Deus em junho (feriado móvel), e o dia 1 de novembro, dia de Todos os Santos, e dois civis, 5 de Outubro, Implantação da República, e o 1.º de Dezembro, Restauração da Independência.

Hoje também, dia em que foi votado e aprovado o Orçamento do Estado (OE) para este ano, o parlamento aprovou ainda um outro texto final da Comissão de Trabalho e Segurança Social referente a projetos de lei do PCP e BE sobre a reposição de complementos de pensão nas empresas do setor empresarial do Estado.

A votação neste caso foi semelhante à dos feriados, com toda a esquerda e o PAN a votarem favoravelmente o texto, e sociais-democratas e centristas a absterem-se.

Uma outra votação hoje realizada sobre a "criação de uma nova estratégia nacional para a integração de pessoas sem-abrigo", apresentada pelo BE, foi aprovada por unanimidade.

Lusa

  • Atentados na Catalunha estão relacionados, 14 mortos

    Ataque em Barcelona

    Uma pessoa morreu e cinco suspeitos foram abatidos num segundo ataque esta madrugada em Espanha, depois do atentado de ontem que fez 13 mortos em Barcelona. As operações de busca centram-se num nome: Moussa Oukabir. Siga aqui as últimas informações, ao minuto.

    Em atualização

  • Driss Oukabir: suspeito do atentado ou vítima de roubo de identidade?
    2:40

    Ataque em Barcelona

    Um dos dois suspeitos, do ataque nas Ramblas, detidos pela polícia foi inicialmente identificado como Driss Oukabir, um homem de 28 anos. Mais tarde, um homem com o mesmo nome apresentou-se numa esquadra em Girona, a mais de 100 quilómetros do local do atropelamento afirmando que lhe tinha sido roubada a identificação. De acordo com alguma imprensa espanhola, poderá ter sido o irmão, Moussa Oukabir, um jovem de 18 anos que vive em Barcelona, como explicou também Nuno Rogeiro, comentador da SIC.

  • "Nas Ramblas, é como se nada tivesse acontecido"
    1:35

    Ataque em Barcelona

    Um atentado terrorista em Barcelona matou 13 pessoas e feriu cerca de 100. O ataque aconteceu na zona das Ramblas, quando uma carrinha avançou sobre quem circulava nessa grande via no centro da capital da Catalunha. O repórter Emanuel Nunes está em Barcelona e deu conta do regresso à normalidade nas Ramblas, logo às primeiras horas da manhã.

  • Barcelona abalada pelo terrorismo
    1:03
  • "O abandono provoca incêndios desta dimensão"
    0:55

    País

    O antigo vereador da Câmara de Mação José Silva acredita que a desertificação do interior também é, em parte, responsável pelos incêndios. Segundo José Silva, Mação tem cada vez menos habitantes e é por essa razão que os terrenos são deixados ao abandono.

  • Mação perdeu 80% da área florestal
    3:39
  • Médicos e ministro da Saúde voltam hoje às negociações

    País

    O Ministério da Saúde deverá apresentar uma proposta que poderá ser decisiva para a convocação ou não de uma nova greve. O Sindicato Independente dos Médicos e a Federação Nacional de Médicos tinham anunciado, no dia 11 de agosto, que vão realizar uma greve de dois dias na primeira semana de outubro, se a nova proposta negocial não levar em conta o que reivindicam.