sicnot

Perfil

País

MP pede condenação de ex-autarca de Vila Verde que levou os votos para casa

O Ministério Público pediu a condenação do ex-presidente da Junta de Travassós, Vila Verde, por ter levado para casa os votos das últimas eleições autárquicas, após a sua contagem, disse hoje à Lusa fonte ligada ao processo.

Segundo a fonte, a leitura da sentença está marcada para 02 de março, no Tribunal Judicial de Vila Verde.

Na acusação, a que a Lusa hoje teve acesso, o MP diz que o arguido, Francisco Sousa, cometeu o crime de introdução fraudulenta de boletim na urna ou desvio da urna ou de boletim de voto, previsto no artigo 191 da Lei Eleitoral dos Órgãos das Autarquias Locais.

Esse artigo diz que "quem fraudulentamente introduzir boletim de voto na urna antes ou depois do início da votação, se apoderar da urna com os boletins de voto nela recolhidos mas ainda não apurados ou se apoderar de um ou mais boletins de voto em qualquer momento, desde a abertura da assembleia de voto até ao apuramento geral da eleição, é punido com pena de prisão até 3 anos ou com pena de multa até 360 dias".

Nas últimas Autárquicas, realizadas a 29 de setembro de 2013, o processo eleitoral em Travassós, que decorreu na sede da Junta, ficou concluído antes das 20:00, com a contagem dos votos, que foram colocados em envelopes lacrados.

Nessa altura, e segundo a acusação, o arguido "decidiu que não ia esperar pela GNR", a quem cabia o levantamento dos boletins de voto, "e comunicou à Mesa [da Assembleia de Voto] que iria encerrar as instalações, o que fez".

O MP diz ainda que o arguido se "apoderou" de todos os boletins de voto e os levou para casa, "sem os entregar a qualquer um dos membros da Mesa ou sequer contactar os militares da GNR para dar conta do sucedido".

Acrescenta que, por causa desta atuação, os militares da GNR foram obrigados a efetuar diversos contactos telefónicos para o arguido, sem sucesso, e tiveram de o procurar na sua residência, só tendo logrado tomar posse dos boletins de voto cerca das 23:00.

A acusação lembra que a Lei Eleitoral dos Órgãos das Autarquias Locais estipula, no artigo 140, que incumbe à Mesa entregar às forças de segurança todos os elementos respeitantes à eleição, entre os quais os boletins de voto.

Francisco Sousa era, na altura, presidente da Junta de Travassós mas não fazia parte da Mesa.

O advogado do arguido disse hoje à Lusa que a acusação do MP "não faz qualquer sentido", uma vez que o arguido só levou os votos para casa com o acordo de todos os membros da Mesa.

"Estava uma noite fria e, como tinha sido informado de que a GNR estava atrasada, o arguido achou que não havia necessidade de ficarem ali à espera e levou os votos para casa, para os entregar à GNR, a exemplo, aliás, do que já tinha feito em eleições anteriores", explicou o advogado.

Martinho Gonçalves disse ainda que, por isso mesmo, Francisco Sousa estava convencido de que a GNR iria diretamente a sua casa buscar os votos.

"Houve, de facto, uma chamada da GNR para o arguido, mas este não atendeu porque entretanto tinha adormecido, só acordando quando os militares lhe bateram à porta de casa", acrescentou.

Vincou que "não houve qualquer fraude" na atuação do arguido, já que os votos foram entregues "devidamente lacrados, sem problema de qualquer espécie".

Martinho Gonçalves pediu, assim, a absolvição do arguido, enquanto o MP pediu a condenação.

Lusa

  • Marcelo lembra as consequências da demissão de Vítor Gaspar
    1:06

    Caso CGD

    O Presidente da República reitera que o assunto Caixa Geral de Depósitos está fechado. Em entrevista à TVI, Marcelo Rebelo de Sousa lembrou esta segunda-feira as consequências que a demissão de Vítor Gaspar, ministro das Finanças em 2013, provocou no sistema financeiro para justificar o facto de ter intervindo na polémica com as SMS trocadas entre Mário Centeno e António Domingues.

  • PSD e CDS admitem chamar António Costa à nova Comissão de Inquérito à CGD
    2:37

    Caso CGD

    PSD e CDS admitem chamar o primeiro-ministro à nova Comissão de Inquérito à CGD. Apesar de ser uma hipótese, a SIC sabe que os dois partidos ainda estão a definir o objeto do inquérito e, por isso, afirmam que é prematuro falar sobre eventuais audições. Seja como for, António Costa voltou esta segunda-feira a dizer que o assunto está encerrado.

  • Acha que conhece o seu país?
    27:42
  • Avioneta despenha-se em centro comercial de Melbourne

    Mundo

    Uma avioneta com cinco pessoas a bordo caiu num centro comercial perto do aeroporto de Essendon em Melbourne, capital da Austrália. Segundo a polícia do estado de Vitória tratava-se de um voo charter com destino a King Island, situada entre a parte continental da Austrália e a ilha da Tasmânia.

  • Pelo menos 18 detidos em protestos no Rio de Janeiro

    Mundo

    Pelo menos 18 pessoas foram esta segunda-feira detidas no Rio de Janeiro, Brasil, depois de confrontos com a polícia durante um protesto contra a privatização da empresa pública de saneamento, que serve o terceiro estado mais povoado do país.

  • O momento em que Kim Jong-nam terá sido envenenado
    1:21

    Mundo

    A investigação ao homicídio do meio-irmão do líder da Coreia do Norte no aeroporto da capital da Malásia está a provocar uma crise diplomática entre os dois países. Esta segunda-feira, um canal de televisão japonês divulgou imagens das câmaras de vigilância do aeroporto que alegadamente captam o momento em que Kim Jong-nam terá sido envenenado.

  • O atentado na Suécia inventado por Donald Trump
    2:12
  • Os ensaios para a maior festa do ano
    1:16

    Mundo

    Em contagem decrescente para o Carnaval, no Rio de Janeiro, já começaram os ensaios para a maior festa do ano. A noite de testes na avenida Marquês de Sapucaí conta com desfiles gratuitos.