sicnot

Perfil

País

Marinha encontrou caça-minas afundado na I Guerra ao largo de Cascais

A Marinha anunciou esta terça-feira ter encontrado os destroços do caça-minas "Roberto Ivens", afundado em 1917, durante a Primeira Guerra Mundial, ao largo de Cascais, preparando-se agora para recolher imagens para estudo arqueológico.

Marinha Portuguesa

"No ano em que se assinala o centenário da entrada de Portugal na Primeira Grande Guerra, a deteção e recolha de informação relativa a este navio reveste-se de um especial interesse histórico", destaca a Marinha, numa nota.

Segundo uma fonte da Marinha, o incidente com o "Roberto Ivens" estava retratado, "mas aproveitou-se uma missão com um navio hidrográfico para fazer uma busca", tendo sido detetados e identificados na segunda-feira os destroços do caça-minas, a cerca de quatro milhas náuticas (oito quilómetros) a sul da entrada da barra do Porto de Lisboa, com recurso a um sonar lateral.

"Agora vamos com o ROV (Remotely Operated Vehicle), o equipamento que permite recolher imagens em profundidade, ver o estado em que está e podemos avaliar a hipótese de o reflutuar e recuperar os destroços. Vamos ver como vamos evoluir", acrescentou a mesma fonte.

A deteção do antigo arrastão afundado foi feita pelos elementos da lancha Andrómeda, com uma equipa do Instituto Hidrográfico e um elemento do Instituto de História Contemporânea.

De acordo com a Marinha, no dia 26 de julho de 1917, pelas 15:15, o caça-minas "Roberto Ivens", antigo arrastão "Lordelo", requisitado em 1916 no âmbito da participação portuguesa na Primeira Guerra Mundial, embateu contra uma mina fundeada por um submarino inimigo e afundou-se a cerca de 12 milhas (24 quilómetros) a sul de Cascais.

Este acidente causou a morte de 15 elementos da guarnição, entre eles o comandante, 1.º tenente Raul Alexandre Cascais, de três sargentos e de 11 praças, ficando ainda ferido o capitão da marinha mercante Francisco António Biaia.

Sete sobreviventes foram recolhidos pelo rebocador "Bérrio".

Em comunicado, o Ministério da Ciência, Tecnologia e do Ensino Superior lembra que o caça-minas foi o primeiro navio da Armada Portuguesa a "perder-se durante a Grande Guerra".

O destroço do caça-minas agora localizado está "numa posição distinta daquela onde a documentação oficial o apontava como perdido", refere o Ministério.

"A localização permite aprofundar o conhecimento sobre a presença e o papel da Marinha durante o período conturbado da Grande Guerra e, simultaneamente, lança um novo olhar sobre a real dimensão da ameaça submarina alemã em águas territoriais portuguesas", sublinha o Ministério da Ciência, Tecnologia e do Ensino Superior.

Lusa

  • Deputados pedem medidas urgentes para travar exploração de urânio junto à fronteira
    3:06

    País

    Um projeto de exploração de urânio no município de Retortilho em Salamanca, a cerca de 40 quilómetros da fronteira portuguesa, está a causar preocupação nos dois países. Portugueses e espanhóis temem o risco de contaminação por via aérea e fluvial. Deputados portugueses visitaram o local, onde pediram medidas firmas e urgentes ao Governo para travar o projeto. As autoridades de Espanha não acionaram o mecanismo de avaliação ambiental partilhada.

  • Mulher enterrada viva no Brasil
    1:13

    Mundo

    Uma mulher de 37 anos terá sido enterrada viva no oeste da Bahia, no Brasil. A certidão de óbito aponta um choque séptico como a causa da morte, mas os ferimentos com que foi encontrada no interior do caixão indicam um possível erro. Os moradores de casas vizinhas do cemitério municipal onde Rosângela dos Santos foi enterrada ouviram gritos vindos do túmulo.

  • "Os Estados Unidos são uma sociedade de pistoleiros"
    3:47
  • Trump desafia Oprah a candidatar-se para ser derrotada

    Mundo

    Apesar de Oprah Winfrey ter excluído uma eventual candidatura às eleições presidenciais dos Estados Unidos da América, Donald Trump ainda não se esqueceu dos rumores e desafiou a apresentadora a candidatar-se em 2020. Através do Twitter, o Presidente norte-americano disse ainda que assim poderia ser "exposta e derrotada como todos os outros".

    SIC