sicnot

Perfil

País

Qualidade do ar hoje afetada por poeiras do norte de África

A qualidade do ar do Algarve, Alentejo, Lisboa e Vale do Tejo, Centro, interior norte e Madeira é hoje afetada por partículas e poeiras em suspensão vindas do norte de África, informa a Agência Portuguesa do Ambiente (APA).

A qualidade do ar do Algarve, Alentejo, Lisboa e Vale do Tejo, Centro, interior norte e Madeira é hoje afetada revela a Agência Portuguesa do Ambiente

A qualidade do ar do Algarve, Alentejo, Lisboa e Vale do Tejo, Centro, interior norte e Madeira é hoje afetada revela a Agência Portuguesa do Ambiente

© Hugo Correia / Reuters


"Durante o dia 23 de fevereiro [hoje], a influência da massa de ar nas concentrações de partículas irá diminuir gradualmente de intensidade, devido à previsão de alterações das condições meteorológicas", refere uma informação divulgada no site da APA.

Trata-se de um fenómeno natural, mais frequente na primavera e no verão, que afeta a qualidade do ar ambiente.

A APA estima que possa contribuir para um aumento das concentrações de partículas em suspensão (PM10) entre 40 a 80 mgm-3 nas regiões do Algarve e Alentejo e entre 10 a 40 mgm-3 nas regiões de Lisboa e Vale do Tejo, Centro e interior Norte.

A análise comparativa dos modelos de prognóstico de dispersão e transporte de poeiras pela circulação atmosférica indica que este episódio deverá terminar na quarta-feira.

O transporte de longa distância de partículas com origem natural, em zonas áridas do Norte de África, como é o caso dos desertos do Sahara e Sahel, pode levar à subida dos níveis de PM10.

As poeiras podem tornar-se visíveis quando se verifica a sua deposição nas superfícies, sobretudo nos automóveis, varandas ou outros elementos que estejam ao ar livre.

  • E vão quatro de Ronaldo
    1:58
  • "Ronaldos nascem na Rússia como cogumelos"
    1:49
  • Lançamento de balões no São João do Porto em risco

    País

    Lançar balões nas festas do São João do Porto pode não ser possível este ano, tudo irá depender das condições atmosféricas. A Secretaria de Estado das Florestas e do Desenvolvimento Rural admitiu, esta quarta-feira, que está a acompanhar a situação mas que ainda nada está decidido.