sicnot

Perfil

País

Velocidade e uso do telemóvel são hábitos de risco dos condutores portugueses

A velocidade excessiva e o uso do telemóvel durante a condução são os principais comportamentos de risco dos condutores portugueses, concluiu um estudo hoje divulgado pela associação para a defesa do consumidor.

© Fred Prouser / Reuters (Arquivo)

A Deco, que publicará um inquérito sobre os hábitos de condução na edição de quinta-feira da revista Proteste, refere que mais de um terço dos inqueridos afirma que excede, de vez em quando, em mais de 20 quilómetros por hora os limites da velocidade definidos para cada tipo de via e 29 por cento indica que fala ao telemóvel sem qualquer sistema de mãos-livres.

As estradas no interior das localidades, limitadas a 50 quilómetros por hora, são onde se regista mais quantidade de infratores, com 43 por cento dos inquiridos a indicar que circula a mais de 70 quilómetros por hora, segundo o questionário feito pela Deco a 1.053 portugueses.

Por sua vez, nas autoestradas, 40 por cento dos inquiridos confessa que ultrapassa com frequência os 140 quilómetros por hora.

Entre as razões apontadas pelos inquiridos para explicar o excesso dos limites de velocidade estão as ultrapassagens, a necessidade de acompanhar o fluxo de trânsito ou os atrasos.

No entanto, mesmo com pouco tráfego, 43 por cento dos entrevistados admite que vai além dos limites quando circula em estradas principais.

O estudo da associação para a defesa do consumidor concluiu também que as distrações durante a condução são outro problema, sendo o telemóvel o principal culpado.

De acordo com a Deco, cerca de metade dos inquiridos usa o telemóvel durante a condução com alguma frequência, mas recorre a um sistema de mãos-livres, como um auricular ou via Bluetooth.

No entanto, três em cada 10 também fazem ou atendem chamadas quando conduzem sem utilizar qualquer solução. Destes, a maioria indicou que reduz a velocidade ou aumenta a distância para o veículo da frente por considerar que, deste modo, evita eventuais perigos.

Segundo o estudo, 13 por cento dos inquiridos confessou enviar mensagens escritas durante a condução, sendo que os jovens entre os 18 e os 24 anos foram os que indicaram adotar este comportamento com mais frequência.

A Deco destaca que um condutor que tenha o hábito de usar o telemóvel sem um sistema de mãos-livres ou enviar mensagens escritas corre um risco 83% superior de estar envolvido num acidente relativamente a outro que não o faça.

Um quarto dos entrevistados refere que muda de CD, uma atitude que, apesar de não se proibida, implica que o condutor retire os olhos da estrada durante vários segundos.

No que toca aos comportamentos agressivos, 37% dos inquiridos mostra hostilidade quando se aborrece com alguns condutores, 16% ignora a distância de segurança do veículo da frente, 14% impõem-se para obter uma posição melhor numa fila e 11% ignora pões na passadeira.

O inquérito concluiu igualmente que quase metade dos condutores inquiridos admitem conduzir cansados e 12% conduz depois de beber "um copo a mais".

A Deco refere que existem ainda outros comportamentos que podem tonar-se perigosos como as travagens bruscas (18%), o ato de desligar os máximos muito tarde quando o condutor se cruza com um outro veículo (12%) e não alterar a velocidade com o piso molhado (7%).

O inquérito sobre os hábitos de condução mostra ainda que os mais novos tendem a violar mais os limites de velocidade e executar outras tarefas ao volante, enquanto os mais velhos têm mais o hábito de beber bebidas alcoólicas e conduzir a seguir.

Segundo o estudo, os homens costumam violar os limites de velocidade e conduzir após beber álcool mais do que as mulheres, sendo estas mais cumpridoras na estrada.

Lusa

  • Paulo Macedo pede calma para o bem do banco
    1:45

    Caso CGD

    Paulo Macedo falou pela primeira vez desde que foi eleito o novo Presidente da Caixa Geral de Depósitos e, para o bem do banco público, pediu calma a todos. Passos Coelho veio dizer que a recapitalização da Caixa pode ter de ser feita no verão do próximo ano para salvaguardar o défice deste ano. Já António Costa preferiu não comentar as declarações de Passos e diz que o banco público há muito que precisava de ser recapitalizado.

  • Condutores continuam com dúvidas em como circular numa rotunda
    2:06

    País

    Circular nas rotundas continua a ser um problema para muitos condutores. Cerca de 3 mil foram multados nos últimos três anos depois da entrada em vigor do novo código, os números são avançados pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Os instrutores de condução dizem que a medida provoca mais confusão nas horas de ponta.

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59
  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados". Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade.