sicnot

Perfil

País

Cavaco diz que direito a vida digna dos deficientes das Forças Armadas não pode ser esquecido

O Presidente da República considerou hoje que Portugal tem uma "dívida moral e material" para com os deficientes das Forças Armadas, sublinhando que nenhum Governo ou chefe de Estado deverá esquecer o seu direito a uma vida minimamente digna.

JO\303\203O RELVAS

"Estou certo que nenhum Governo, nenhum Presidente da República alguma vez esquecerá o que estes homens passaram e o direito que têm neste momento de ter uma vida minimamente digna", afirmou o chefe de Estado, Aníbal Cavaco Silva, em declarações aos jornalistas no final de uma visita à Associação dos Deficientes das Forças Armadas (ADFA), em Lisboa.

Antes, num breve discurso, Cavaco Silva tinha já feito alusão à "dívida moral e material" que "todos temos" para com estes homens, defendendo que as acrescidas dificuldades que perturbam e atingem os deficientes militares e as suas famílias, associadas ao envelhecimento, não podem ser ignoradas.

"É essencial que da parte de todos os organismos e agentes com responsabilidades no apoio aos deficientes, não abrande o esforço e as prioridades sejam mantidas", preconizou, considerando que importa assegurar a possibilidade de concretizar o Plano de Ação para Apoio aos Deficientes Militares, há muito reclamado pela ADFA.

Na sua intervenção, o Presidente da República falou ainda da "admiração, afeto e gratidão" que são devidas aos deficientes militares, insistindo que "não pode o país ignorar quem se fragilizou no cumprimento do dever e na defesa da pátria, quem viu frustradas as suas legítimas expectativas de vida pelo simples facto de um dia ter lutado por Portugal".

"No âmbito das comemorações do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas, fiz questão de promover a devida homenagem aos nossos antigos combatentes, àqueles que por Portugal se bateram com total desprendimento", recordou o chefe de Estado, que é também o Comandante Supremo das Forças Armadas.

Aos jornalistas, à saída, Cavaco Silva lembrou igualmente que também ele foi "um soldado" e esteve na guerra colonial, considerando que, por isso, compreende "como poucos o que é a condição militar e o que pode acontecer àqueles que estão na guerra".

Recuando aos anos 60, Cavaco Silva lembrou o caso do "aspirante" que trabalhava ao seu lado e que acabou por ser enviado em missão para o norte de Moçambique: "perdeu uma perna, trabalhava ao meu lado", disse.

"Por isso, eu tenho uma gratidão como Presidente da República em relação a estes homens que se dispuseram a dar a sua vida na defesa da pátria", frisou.

Na visita à ADFA, o Presidente da República condecorou o presidente da direção nacional da associação, José Arruda, com as insígnias de Grande Oficial da Ordem do Infante D.Henrique.

Lusa

  • Proteção Civil desmobiliza meios em Setúbal

    País

    A Proteção Civil vai começar a desmobilizar, hoje à tarde, meios de combate ao incêndio que deflagrou na terça-feira em Setúbal e que já está em fase de rescaldo, disse à agência Lusa o vereador da Proteção Civil Municipal.

  • Marcelo lembra ditadura para deixar elogios à liberdade de imprensa e separação de poderes
    0:29
  • Portugal condenado por decisão "discriminatória e preconceituosa"
    1:19

    País

    Portugal voltou a ser condenado pelo Tribunal Europeu dos Direitos do Homem, desta vez por causa de uma decisão discriminatória e preconceituosa. Trata-se do caso da mulher a quem o Supremo Tribunal Administrativo baixou o valor de uma indemnização por negligência médica. Entre os vários argumentos usados, os juízes portugueses consideraram que a sexualidade é menos importante quando se tem 50 anos e dois filhos.

  • "Lancei um tema que os portugueses há muito queriam discutir"
    11:26

    País

    O candidato do PSD à Câmara Municipal de Loures, André Ventura, foi entrevistado esta terça-feira na Edição da Noite da SIC Notícias. Em análise, a polémica em torno das declarações do candidato sobre a comunidade cigana.

    Entrevista SIC Notícias

  • Rajoy nega conhecimento de financiamentos ilegais no PP

    Mundo

    O primeiro-ministro espanhol negou hoje ter conhecimento de um esquema ilegal de financiamento, que envolve vários responsáveis do Partido Popular (PP, direita), que lidera. Durante uma audição no tribunal, Mariano Rajoy garantiu ainda que não aceitou nenhum pagamento ilícito.