sicnot

Perfil

País

Cavaco diz que direito a vida digna dos deficientes das Forças Armadas não pode ser esquecido

O Presidente da República considerou hoje que Portugal tem uma "dívida moral e material" para com os deficientes das Forças Armadas, sublinhando que nenhum Governo ou chefe de Estado deverá esquecer o seu direito a uma vida minimamente digna.

JO\303\203O RELVAS

"Estou certo que nenhum Governo, nenhum Presidente da República alguma vez esquecerá o que estes homens passaram e o direito que têm neste momento de ter uma vida minimamente digna", afirmou o chefe de Estado, Aníbal Cavaco Silva, em declarações aos jornalistas no final de uma visita à Associação dos Deficientes das Forças Armadas (ADFA), em Lisboa.

Antes, num breve discurso, Cavaco Silva tinha já feito alusão à "dívida moral e material" que "todos temos" para com estes homens, defendendo que as acrescidas dificuldades que perturbam e atingem os deficientes militares e as suas famílias, associadas ao envelhecimento, não podem ser ignoradas.

"É essencial que da parte de todos os organismos e agentes com responsabilidades no apoio aos deficientes, não abrande o esforço e as prioridades sejam mantidas", preconizou, considerando que importa assegurar a possibilidade de concretizar o Plano de Ação para Apoio aos Deficientes Militares, há muito reclamado pela ADFA.

Na sua intervenção, o Presidente da República falou ainda da "admiração, afeto e gratidão" que são devidas aos deficientes militares, insistindo que "não pode o país ignorar quem se fragilizou no cumprimento do dever e na defesa da pátria, quem viu frustradas as suas legítimas expectativas de vida pelo simples facto de um dia ter lutado por Portugal".

"No âmbito das comemorações do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas, fiz questão de promover a devida homenagem aos nossos antigos combatentes, àqueles que por Portugal se bateram com total desprendimento", recordou o chefe de Estado, que é também o Comandante Supremo das Forças Armadas.

Aos jornalistas, à saída, Cavaco Silva lembrou igualmente que também ele foi "um soldado" e esteve na guerra colonial, considerando que, por isso, compreende "como poucos o que é a condição militar e o que pode acontecer àqueles que estão na guerra".

Recuando aos anos 60, Cavaco Silva lembrou o caso do "aspirante" que trabalhava ao seu lado e que acabou por ser enviado em missão para o norte de Moçambique: "perdeu uma perna, trabalhava ao meu lado", disse.

"Por isso, eu tenho uma gratidão como Presidente da República em relação a estes homens que se dispuseram a dar a sua vida na defesa da pátria", frisou.

Na visita à ADFA, o Presidente da República condecorou o presidente da direção nacional da associação, José Arruda, com as insígnias de Grande Oficial da Ordem do Infante D.Henrique.

Lusa

  • Ronaldo terá colocado milhões de euros nas Ilhas Virgens britânicas
    4:15

    Desporto

    José Mourinho e Cristiano Ronaldo são apenas dois dos nomes da maior fuga de informação na história do desporto. A plataforma informática Football Leaks forneceu milhões de documentos à revista alemã Der Spiegel, entre os quais documentos que indicam que o capitão da seleção nacional terá colocado milhões de euros da publicidade nas Ilhas Virgens britânicas. Os dados foram analisados por um consórcio de 60 jornalistas, do qual o Expresso faz parte, numa investigação que pode ler este sábado no semanário.

  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Mãe do guarda-redes da Chapecoense comove o Brasil
    1:37
  • Dezenas de mortos em bombardeamentos do Daesh em Mossul

    Daesh

    Dezenas de civis, entre os quais várias crianças, morreram e outros ficaram feridos em ataques de morteiro efetuados pelo grupo extremista Daesh em Mossul, disse à agência Efe o vice-comandante das forças antiterroristas iraquianas.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.