sicnot

Perfil

País

O tempo para hoje

O tempo para hoje

O Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) prevê para hoje céu muito nublado em todas as regiões do continente.No litoral Norte, o instituto prevê períodos de chuva, que poderá ser por vezes forte, estendendo-se às restantes regiões durante a manhã e passando gradualmente a regime de aguaceiros durante a tarde, que poderão ser acompanhados de granizo. Haverá condições favoráveis à ocorrência de trovoada, em especial durante a tarde.

O IPMA prevê queda de neve acima de 1400/1600 metros, descendo gradualmente a cota para 1200 metros.Na região sul, o instituto prevê períodos de chuva, em geral fraca, a partir do final da manhã, progredindo de norte para sul e passando gradualmente a regime de aguaceiros fracos e pouco frequentes.

O vento estará fraco a moderado (10 a 25 km/h), do quadrante oeste, tornando-se moderado a forte (25 a 40 km/h) a partir do final da manhã, em especial no litoral. Nas terras altas, o vento soprará moderado a forte (30 a 50 km/h) do quadrante oeste. Haverá neblina ou nevoeiro matinal nas regiões do interior. Quanto às temperaturas, a máxima vai variar entre os 17.º Celsius, em Faro, e os 7.º, na Guarda. As mínimas vão oscilar entre os 1.º, na Guarda, e os 11.º, em Faro. Em Lisboa, as temperaturas vão variar entre os 10.º e os 15.º Celsius, no Porto, entre os 10 e os 14.º, e em faro, entre 08.º e 17.º Celsius.

Com Lusa

  • Fogo em Setúbal dominado
    2:31

    País

    O incêndio que deflagrou na terça-feira em Setúbal está dominado. As chamas chegaram a ameaçar as casas, o que obrigou à retirada de cerca de 500 pessoas das habitações, como medida de precaução. Também o Hotel do Sado teve de ser evacuado.

  • "Lancei um tema que os portugueses há muito queriam discutir"
    11:26
  • Danos Colaterais 
    18:55
    Reportagem Especial

    Reportagem Especial

    Jornal da Noite

    Nos últimos oito anos a banca perdeu 12 mil profissionais. A dimensão de despedimentos no setor é a segunda maior da economia portuguesa, só ultrapassada pela construção civil. A etapa mais complexa da história começou em 2008, com a nacionalização do BPN. Desde então, as saídas têm sido a regra. A reportagem especial desta terça-feira, "Danos Colaterais", dá voz aos despedidos da banca.