sicnot

Perfil

País

O tempo para hoje

O tempo para hoje

O Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) prevê para hoje céu muito nublado em todas as regiões do continente.No litoral Norte, o instituto prevê períodos de chuva, que poderá ser por vezes forte, estendendo-se às restantes regiões durante a manhã e passando gradualmente a regime de aguaceiros durante a tarde, que poderão ser acompanhados de granizo. Haverá condições favoráveis à ocorrência de trovoada, em especial durante a tarde.

O IPMA prevê queda de neve acima de 1400/1600 metros, descendo gradualmente a cota para 1200 metros.Na região sul, o instituto prevê períodos de chuva, em geral fraca, a partir do final da manhã, progredindo de norte para sul e passando gradualmente a regime de aguaceiros fracos e pouco frequentes.

O vento estará fraco a moderado (10 a 25 km/h), do quadrante oeste, tornando-se moderado a forte (25 a 40 km/h) a partir do final da manhã, em especial no litoral. Nas terras altas, o vento soprará moderado a forte (30 a 50 km/h) do quadrante oeste. Haverá neblina ou nevoeiro matinal nas regiões do interior. Quanto às temperaturas, a máxima vai variar entre os 17.º Celsius, em Faro, e os 7.º, na Guarda. As mínimas vão oscilar entre os 1.º, na Guarda, e os 11.º, em Faro. Em Lisboa, as temperaturas vão variar entre os 10.º e os 15.º Celsius, no Porto, entre os 10 e os 14.º, e em faro, entre 08.º e 17.º Celsius.

Com Lusa

  • Chuva, vento, granizo e neve em 13 distritos
    1:42

    País

    Treze distritos do continente estão sob aviso amarelo de mau tempo, com previsão de chuva, granizo e neve. O vento forte também se faz sentir nos distritos de Beja, Faro e Setúbal.

  • Mais de 50 detidos pela GNR em 12 horas

    País

    A GNR fez 51 detenções entre as 20:00 de sábado e as 08:00 de hoje, 39 das quais por condução sob efeito do álcool ou sem carta, e três por violência doméstica, segundo um comunicado hoje divulgado.

  • "Um Lugar ao Sol"
    17:05
  • Trump diz que Obamacare vai "colapsar"

    Mundo

    O Presidente norte-americano tentou desvalorizar a derrota política sofrida na sexta-feira no Congresso, ao desistir da revogação da lei de saúde pública do seu antecessor, conhecida como Obamacare, afirmando que esta vai colapsar por si mesma.