sicnot

Perfil

País

Retomadas buscas por homem desaparecido na zona do Barreiro junto ao Tejo

As buscas para encontrar o homem que desapareceu na quarta-feira na zona de Palhais, Barreiro, quando apanhava amêijoas no rio Tejo, foram retomadas ao nascer do dia, disse à Lusa fonte da Policia Marítima.

Arquivo

Arquivo

SIC

A mesma fonte adiantou que pelas 07:00, "aos primeiros alvores", os agentes já estavam no local. Às 07:30 vão ser reforçados os meios no local para as buscas, acrescentou.

De acordo com a fonte da Polícia Marítima, no local onde o homem desapareceu estão agentes que vão patrulhar a zona em terra e uma lancha da Polícia Marítima, bem como outra do Instituto dos Socorros a Náufragos.

Um homem de cerca de 50 anos desapareceu na quarta-feira quando aproveitava a maré baixa para apanhar amêijoas, suspeitando-se de que terá sido "apanhado pela subida repentina da água", segundo disse à Lusa o comandante da capitania do porto de Lisboa e da Polícia Marítima, Malaquias Domingues.

O alerta foi dado por um outro homem, que também se encontrava no local a apanhar amêijoas cerca das 12:10.

As buscas, que decorreram desde o início da tarde de quarta-feira - quer na zona do rio em Palhais, quer do lado de Paio Pires, perto da siderurgia do concelho - foram interrompidas às 19:00.

Lusa

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.