sicnot

Perfil

País

Cozinha e comida de escola em Oeiras inspecionadas após intoxicação alimentar

O delegado de Saúde de Oeiras disse à agência Lusa que está a ser feita uma inspeção à cozinha e à comida que hoje terá provocado uma intoxicação alimentar aos alunos da Escola Sophia de Mello Breyner, em Carnaxide.

Amado Jacinto disse estar no local com outros dois delegados de saúde a recolher amostras de comida e a inspecionar as condições da cozinha. Os resultados a esta investigação só deverão ser conhecidos no sábado.

"Não se pode dizer que a cozinha tenha condições más. À primeira vista são normais, mas vamos ter de esperar pelos resultados, pela avaliação. O processo não demora, talvez amanhã [sábado] já se saiba mais em concreto", acrescentou.

O delegado de saúde adiantou que o almoço hoje servido foi filetes de peixe com arroz de ervilhas e sopa de legumes e que a alimentação é confecionada na própria escola.

Amado Jacinto confirmou tratar-se de uma intoxicação alimentar e que os sintomas conhecidos são, para já, dores de cabeça e vómitos.

"Nem todas as crianças reagem da mesma forma. Algumas almoçaram e não foram afetadas. Varia da sensibilidade de cada criança", esclareceu.

Vinte e três alunos da Escola Sophia de Mello Breyner - de um total de 43 observadas - foram transportados hoje para hospitais devido a este caso, disse Amado Jacinto.

No local estão meios dos bombeiros - incluindo as corporações de Carnaxide e Algés-, o INEM (com duas ambulâncias), a Direção Geral de Saúde, a Autoridade para a Segurança Alimentar e Económica, a PSP, a GNR e a Polícia Municipal.

Lusa

  • Coreia do Norte foi "isolada à força"

    Mundo

    O empresário espanhol León Smit, que organiza visitas à Coreia do Norte, diz que o país foi "isolado à força", sendo "muito difícil" estabelecer relações comerciais com Pyongyang, sob o regime de Kim Jong-un.

  • Fuga de Vale de Judeus em junho de 1975 no Perdidos e Achados
    0:36

    Perdidos e Achados

    Prisão Vale de Judeus, final de tarde de domingo, dia 29 de junho de 1975. O plano da fuga terá sido desenhado por uma vintena de homens. Serrada a presiana metálica era preciso passar, para fora do edifício, as cabeceiras dos beliches onde os presos dormiam. Ao longo de cerca de uma hora 89 detidos, agentes da PIDE/DGS, a Polícia Internacional e de Defesa do Estado português extinta depois da revolução de 1974, fogem do estabelecimento prisional.

    Segunda-feira no Jornal da Noite