sicnot

Perfil

País

Embaixada está a acompanhar o caso dos 11 portugueses detidos no Brasil

A Embaixada portuguesa em Brasília está a acompanhar a situação dos 11 portugueses detidos hoje na capital brasileira por associação criminosa e estelionato (crime semelhante à burla), disse à Lusa uma fonte diplomática.

(Reuters / Arquivo)

(Reuters / Arquivo)

© Nacho Doce / Reuters

"A Embaixada está a acompanhar a situação. Já foram feitos os contactos com a Polícia Civil. Na próxima segunda-feira serão retomados para recolha de mais elementos", afirmou uma fonte da Embaixada de Portugal na capital brasileira.

Segundo a mesma fonte, os 11 portugueses encontram-se no complexo da Polícia Civil em Brasília sob o regime de "detenção temporária" de cinco dias para recolha de depoimentos e elementos de prova por parte do delegado da Polícia Civil responsável pela investigação.

Após esse período, os 11 poderão ser libertados, ver a sua detenção prorrogada por mais cinco dias para aprofundamento das investigações ou ficar detidos preventivamente, explicou.

De acordo com a mesma fonte, os 11 portugueses já residem há algum tempo aqui na área do Distrito Federal.

A Embaixada ainda não falou com nenhum dos detidos, mas a mesma fonte espera encontrá-los muito em breve "para saber se precisam de alguma coisa".

Em comunicado enviado à agência Lusa, a Polícia Civil informou que os 11 portugueses "vão responder pelos crimes de associação criminosa e estelionato e a pena pode chegar até oito anos de reclusão".

No âmbito da ação policial, denominada "Operação Ilusionista", também foram apreendidos oito veículos considerados de luxo e muitos produtos falsificados.

Segundo a polícia, os portugueses "apresentavam-se em carros de luxo e bem vestidos" e "simulavam que estavam a fechar um 'stand' de vendas num centro comercial da cidade e a voltar para a Europa, mas que o imposto seria muito alto para retornar com os produtos".

"Dessa forma, explicavam às vítimas que vendiam as mercadorias a preço de custo", informou a mesma entidade policial, segundo a qual os detidos compravam os produtos "falsificados" a baixo custo no Estado de São Paulo e obtinham lucros de mais de 90%.

Lusa

  • GNR só teve acesso às imagens das agressões em Alcochete 12 horas depois
    1:42

    Crise no Sporting

    A GNR não pôde visionar as imagens de videovigilância da Academia de Alcochete logo que chegou ao local. O sistema estava inoperacional, o que fez com que as imagens só fossem entregues quase 12 horas depois do ataque à equipa do Sporting. Entre as provas recolhidas, estão também impressões digitais e vestígios de sangue encontrados na zona do balneário.

  • Juiz considera que agressões em Alcochete foram "ato terrorista"
    1:59

    Crise no Sporting

    O juiz que decretou a prisão preventiva dos 23 detidos pelo ataque à Academia do Sporting considera que se tratou de um ato terrorista. Diz mesmo que os agressores tiveram um comportamento chocante e que perverte o espírito desportivo. Sete dos 23 detidos já foram condenados por outros crimes, mas não chegaram a pena de prisão.

  • Gonçalo Guedes: o menino franzino que jogava mais que os outros em Benavente
    8:47
  • A promessa que João Mário vai ter de cumprir se Portugal for campeão
    1:36
  • Aprovadas mudanças no acesso ao ensino superior

    País

    O Governo aprovou esta quinta-feira o decreto-lei que estabelece o currículo dos ensinos básico e secundário, bem como os princípios orientadores da avaliação, voltando a nota de Educação Física a contar para a média de acesso ao ensino superior. No caso dos alunos do ensino profissional, são eliminados requisitos considerados discriminatórios no acesso ao ensino superior.

  • Universidade de Coimbra não retira Honoris Causa a Lula
    3:30
  • Estudo acaba com teorias da conspiração sobre a morte de Hitler

    Mundo

    Existem algumas versões sobre o desaparecimento do ditador nazi, Adolf Hitler. Há quem diga que viajou para um país da América do Sul, outros acreditam que está escondido na Antártida e há até quem vá mais longe e acredita que estaria na Lua. Mas, teorias da conspiração à parte, a história oficial diz que Hitler suicidou-se num bunker, em Berlim, Alemanha.

    SIC