sicnot

Perfil

País

MNE reúne-se com Alto Comissariado da ONU

O chefe da diplomacia portuguesa, Santos Silva, vai destacar hoje, no Conselho dos Direitos Humanos das Nações Unidas, a situação que se vive na Síria e recordar a iniciativa do antigo Presidente Jorge Sampaio de apoio aos estudantes sírios.

Ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva.

Ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva.

ESTELA SILVA/ LUSA


No contexto do Conselho dos Direitos Humanos (CDH), em que tem assento por um mandato de três anos, Portugal assume três prioridades: "Os direitos económicos, sociais e culturais; uma valorização particular ao direito à educação e a abolição da pena de morte, em qualquer circunstância, que é o nosso traço desde o século XIX", afirmou à Lusa.

Augusto Santos Silva intervém hoje no segmento de alto nível do CDH, em Genebra, na Suíça, e pretende chamar a atenção para a situação que se vive na Síria.

"Foi já constituída em 2011 uma comissão independente para a avaliação da situação dos direitos humanos na Síria e Portugal dá muito apoio às atividades dessa comissão e à sua natureza independente. Quaisquer partes que violem sistematicamente os direitos humanos devem ser condenadas por isso e a comissão está encarregada de reunir evidência que possa permitir até processos judiciais", sublinhou à Lusa.

Santos Silva pretende apresentar a iniciativa portuguesa, fundada pelo ex-Presidente Jorge Sampaio, de apoio aos estudantes sírios no ensino superior português.

Portugal quer mostrar que essa plataforma, que já permitiu a mais de cem estudantes sírios prosseguir o ensino superior e que o Governo "apoia entusiasticamente", pode ser generalizada.

"A comunidade internacional pode constituir um mecanismo de resposta de emergência que permita que os estudantes no ensino superior não vejam interrompidos os seus estudos quando ficam na situação de refugiados ou quando se vejam impedidos de prossegui-los no seu país de origem, não só porque isso significa respeitar o direito à educação, como significa preparar o futuro desses países, que hoje estão em crise, amanhã desejamos que deixarão de estar em crise, e as elites técnicas de que precisam necessitam entretanto de ser formadas", afirmou.

Sobre os direitos humanos em Portugal, Santos Silva diz que "a situação é muito favorável", tendo em conta "todos os critérios, seja da adesão dos pactos, seja do ponto de vista da sua introdução na ordem interna, seja do ponto de vista dos níveis do cumprimento".

"Portugal subscreve hoje todos, mas todos os pactos internacionais mais importantes sobre direitos humanos, não tem nenhum incumprimento em matéria de transpor esses pactos para a ordem interna, não tem em atraso em nenhum relatório de prestação de contas sobre o nível de cumprimento dos direitos humanos no país", acrescentou.

No âmbito da sua deslocação às Nações Unidas, em Genebra, o chefe da diplomacia portuguesa reúne-se com o alto-comissário da Organização das Nações Unidas (ONU) para os Direitos Humanos, Zeid Ra'ad Al Hussein, e com o presidente do Comité Internacional da Cruz Vermelha, Peter Maurer.

À margem da sessão, participará em encontros bilaterais com homólogos da Bósnia Herzegovina, Suíça, Antiga República Jugoslava da Macedónia e Uruguai.

Santos Silva estará também num jantar com representantes de vários setores empresariais, culturais e da sociedade civil da comunidade portuguesa na Suíça, que, segundo dados provisórios recentemente publicados, contará com perto de 290 mil imigrantes.

Portugal foi eleito para o CDH com 184 votos em 193 votantes, "a maior votação de entre todos os Estados que foram eleitos". Integra pela primeira vez o organismo, que sucedeu à Comissão de Direitos Humanos, de que fez parte por três vezes no passado, e será representado pelo embaixador Pedro Nuno Bártolo, da missão permanente de Portugal junto dos Organismos e Organizações Internacionais das Nações Unidas.

O CDH, com sede em Genebra, inclui 47 membros: 13 membros africanos, 13 asiáticos, oito da América Latina e Caraíbas, sete da Europa Ocidental e outros e seis da Europa de Leste.

Reúne-se pelo menos três vezes por ano, num total de 10 semanas, em sessões ordinárias que geralmente decorrem em março, junho e setembro.

O mandato de Portugal decorre entre janeiro de 2015 e dezembro de 2017.

Lusa

  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15
  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • Cinco unidades fabris em Tondela destruídas pelas chamas
    3:06

    País

    As contas finais dos prejuízos na zona industrial de Tondela ainda não são definitivas, mas há cinco unidades fabris que foram atingidas pelas chamas. O aterro sanitário do Planalto Beirão foi também atingido pelo fogo que atravessou Tondela, onde ardeu o equivalente a 20 anos de resíduos orgânicos.

  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as várias as fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto por mostrar, de forma crua, as consequências das chamas. A foto é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.