sicnot

Perfil

País

Navio afunda na Madeira, Marinha e Força Aérea resgatam os 10 tripulantes

A Marinha e a Força Aérea resgataram os 10 tripulantes de uma embarcação que naufragou ao largo da Madeira. O pesqueiro "Ilhas do Mar" sofreu um rombo no casco. Ao que tudo indica, na última madrugada terá embatido numa outra embarcação que estava à deriva.

O helicóptero da Força Aérea participou na operação.

O helicóptero da Força Aérea participou na operação.

SIC

"O helicóptero Merlin EH-101 já aterrou no aeroporto da Madeira trazendo os 10 tripulantes da embarcação naufragada e estão todos bem de saúde", informou o comandante da capitania, Félix Marques.

Hoje, pelas 6:00, um alerta do mestre da embarcação para a Capitania do Porto do Funchal dava conta de que teria embatido numa outra embarcação que se encontrava à deriva, a 180 milhas a noroeste da Madeira. O rombo que o embate provocou acabou por fazer naufragar o "Ilhas do Mar".

A Marinha disponibilizou de imediato o navio "Schulz Xavier", mas acabou por ser a aeronave C295 a avistar duas balsas com os tripulantes, já perto das 13:00.

Coube depois ao EH-101 da Força Aérea Portuguesa resgatar os tripulantes e levá-los para terra.

"Procedeu-se ao resgate diretamente para o aeroporto da Madeira, onde foi feito um rastreio médico inicial às condições físicas dos tripulantes", explicou Félix Marques, adiantando que "existiam alguns pescadores com sinais de hipotermia, mas nada de grave".

A capitania vai agora desenvolver o inquérito do sinistro marítimo, para saber em que condições o naufrágio aconteceu.

Já tinha sido feito um aviso sobre a embarcação que se embarcação que se encontrava a deriva e contra a qual o "Ilhas do Mar" chocou.

O facto de as "bombas de esgoto" terem deixado de ter capacidade de bombear a água que entrava no barco obrigou a tripulação a abandoná-lo e a utilizar as balsas.

Última atualização às 14:59

Com Lusa

  • Viver em Évora
    5:11
  • Projeto piloto no Porto com o objetivo de detetar Ambliopia em crianças
    1:16

    País

    São resultados que dizem respeito apenas ao Grande Porto, mas que podem dar uma ajuda para traçar o panorama nacional: 13% das crianças que participaram num rastreio à saúde visual tiveram de ser encaminhadas para consultadas da especialidade. O projeto piloto foi implementado em quatro concelhos do norte do país, mas pode ser alargado.