sicnot

Perfil

País

Suspeito de esfaquear rapariga em bar diz não se lembrar de como a faca lhe foi parar às mãos

Um homem suspeito de ter esfaqueado uma rapariga durante uma rixa num bar em Ílhavo disse hoje, no tribunal de Aveiro, que não se lembra do que passou, nem sabe como é que a faca lhe foi parar às mãos.

Google Maps

Na primeira sessão de julgamento, o arguido, que está acusado de um crime de homicídio qualificado na forma tentada, adiantou ao coletivo de juízes que não se recorda das circunstâncias em que esfaqueou a rapariga na face, mas admitiu ter sido o autor.

"Recordo-me que estava a ser agredido por cinco pessoas. Só via vultos. Nesse momento, agredi um vulto que estava no meio", disse o arguido, adiantando: "lembro-me desse momento, porque tive uma reação do tipo o que é que fui fazer".

O agressor, de 35 anos, garantiu ainda que não tinha consigo nenhuma faca, mas não soube explicar como é que esta surgiu.

"Já tentei fazer hipnose a ver se me lembrava de mais factos, mas não consegui", referiu, disponibilizando-se para fazer um teste do polígrafo, ao que a juíza-presidente respondeu que o sistema jurídico português não permite o uso da chamada "máquina da verdade".

A primeira sessão ficou ainda marcada pelas declarações da vítima, que deslocou-se de propósito de França, onde se encontra a trabalhar, a Portugal para ser ouvida pelo coletivo de juízes.

A rapariga, de 21 anos, disse que um desentendimento entre um amigo do arguido e algumas pessoas que estavam no seu grupo, levou-os a partirem para as agressões.

No auge da discussão, o arguido acabou por agredir a vítima com uma faca, atingindo-a ao nível da região ocular.

A jovem, que foi submetida a três operações, perdeu a visão no olho direito e disse que este episódio deixou "marcas muito profundas". "Tenho de me habituar a ver só com um olho, mas não é fácil", desabafou.

Os factos ocorreram na madrugada do dia 12 de junho de 2015, cerca da 02:00, quando o arguido e um amigo se envolveram em agressões com um grupo de pessoas que estava num bar situado na Gafanha da Nazaré, Ílhavo.

Sem que nada o fizesse prever, o arguido pegou numa faca que tinha consigo e com esta desferiu um golpe na direção da face da ofendida, atingindo-a na região ocular direita, refere o Ministério Público.

O autor do esfaqueamento foi retido por outros clientes do bar e foi entregue à GNR, que chegou ao local poucos minutos após a prática dos factos.

O detido, que apresentava ferimentos decorrentes dos confrontos que terão antecedido o esfaqueamento, foi transportado ao Hospital de Aveiro, onde foi sujeito a tratamento e, após ter tido alta hospitalar, recolheu às celas do Departamento da Polícia Judiciária.

Presente a primeiro interrogatório judicial, foi-lhe aplicada a medida de coação de prisão preventiva, que foi posteriormente substituída pela obrigação de permanência na habitação com sujeição a vigilância eletrónica.

Lusa

  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.