sicnot

Perfil

País

Marcelo Rebelo de Sousa volta a reunir-se amanhã com António Costa

O Presidente da República eleito, Marcelo Rebelo de Sousa, disse hoje que na quarta-feira volta a reunir-se com o primeiro-ministro, António Costa, não antecipando os temas que estarão em discussão.

(Arquivo)

(Arquivo)

LUSA

À saída da última aula que deu hoje na Faculdade de Direito, em Lisboa, o Presidente da República eleito, Marcelo Rebelo de Sousa, foi questionado pelos jornalistas sobre se quarta-feira iria estar com António Costa, tendo respondido: "Amanhã sim".

Interrogado sobre aquilo que poderá estar em cima da mesa desta nova reunião, Marcelo escusou-se a responder: "Não sei. Veremos. Amanhã é outro dia".

No final da última aula, que durou cerca de uma hora e decorreu à porta fechada, o Presidente da República eleito confessou-se "um bocadinho emocionado" e, perante a insistência dos jornalistas, relatou apenas ter falado aos alunos sobre direito administrativo, administração pública e também "da diferença de ser professor e ser eventualmente Presidente da República".

"É uma aula de despedida dos alunos de Direito Administrativo. Uma aula simples", tinha dito à entrada aos jornalistas.

Questionado se, depois da tomada de posse de dia 09 de março, ia ficar a morar em Belém, Marcelo foi perentório: "fico em minha casa. Claro que fico em minha casa. A pessoa vive em casa, fica em casa".

À chegada ao auditório onde decorreu a aula de Direito Administrativo II, unidade curricular do 2.º ano do curso de Direito a cujos alunos Marcelo Rebelo de Sousa ministrou Direito Administrativo no primeiro semestre, um batalhão de jornalistas aguardava a chegada do professor, só se tendo sabido pouco minutos antes se a aula seria aberta ou fechada à comunicação social.

O veredicto de Marcelo foi que a aula seria vedada aos olhares dos jornalistas, tendo apenas havido dois minutos para recolha de imagens no início, sala que estava repleta e que na assistência tinha pelo menos uma cara conhecida do antigo Governo de Passos Coelho: o ex-secretário de Estado Adjunto e dos Assuntos Parlamentares Pedro Lomba.

Lusa

  • Ronaldo terá colocado milhões de euros nas Ilhas Virgens britânicas
    4:15

    Desporto

    José Mourinho e Cristiano Ronaldo são apenas dois dos nomes da maior fuga de informação na história do desporto. A plataforma informática Football Leaks forneceu milhões de documentos à revista alemã Der Spiegel, entre os quais documentos que indicam que o capitão da seleção nacional terá colocado milhões de euros da publicidade nas Ilhas Virgens britânicas. Os dados foram analisados por um consórcio de 60 jornalistas, do qual o Expresso faz parte, numa investigação que pode ler este sábado no semanário.

  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Mãe do guarda-redes da Chapecoense comove o Brasil
    1:37
  • Dezenas de mortos em bombardeamentos do Daesh em Mossul

    Daesh

    Dezenas de civis, entre os quais várias crianças, morreram e outros ficaram feridos em ataques de morteiro efetuados pelo grupo extremista Daesh em Mossul, disse à agência Efe o vice-comandante das forças antiterroristas iraquianas.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.

  • Tribunal chinês iliba jovem executado há 21 anos

    Mundo

    Nie Shubin foi fuzilado em 1995, na altura com 20 anos, depois de ter sido condenado por violação e assassinato de uma mulher, na cidade de Shijiazhuang. Agora, a justiça chinesa vem dizer que, afinal, o jovem era inocente, uma vez que não foram encontradas provas suficientes para o condenar.