sicnot

Perfil

País

PSD quer voltar a ser o partido com mais câmaras nas autárquicas de 2017

A moção de estratégia de Pedro Passos Coelho à liderança do PSD define como objetivo para as eleições autárquicas do próximo ano que o partido volte a conquistar o maior número de presidências de Câmara, que perdeu em 2013.

ESTELA SILVA

"O PSD tem a aspiração de voltar a ser, em 2017, o maior partido no mundo das autarquias, conquistando o maior número de presidências de Câmara e voltando a desempenhar, simbolicamente, a presidência da Associação Nacional de Municípios Portugueses", define a moção de 33 páginas, intitulada "Compromisso Reformista".

Em 2013, o PS foi o partido que elegeu mais presidentes de Câmara, 150, enquanto o PSD, sozinho ou em coligação, conseguiu 106 câmaras.

Na moção, com que Passos Coelho se apresenta às diretas do PSD do próximo sábado, fica estipulado que a Comissão Política Nacional apresente "oportunamente" ao Conselho Nacional uma proposta de orientação estratégica para as eleições autárquicas, "baseada no princípio da escolha o mais descentralizada possível, quer da política de alianças, quer do processo de candidaturas autárquicas".

"E não deixará de nomear uma comissão nacional autárquica com a missão de apoiar as estruturas locais e regionais a procederem à seleção dos melhores candidatos e a alcançarem os melhores resultados", refere ainda o texto.

No capítulo dedicado aos novos desafios políticos e eleitorais, o último da moção, são referidas as eleições regionais dos Açores, no segundo semestre do ano, que Passos Coelho define como "uma oportunidade para [o PSD] afirmar a sua alternativa de governo".

"Trata-se, também, de uma oportunidade para o PSD nacional reafirmar a sua confiança e o seu empenhamento em todo o processo de aprofundamento da autonomia regional, ao qual está ligado histórica e emocionalmente, orgulhando-se dos resultados que, quer ao nível dos Açores, quer ao nível da Madeira, os nossos companheiros dos dois PSD regionais têm realizado em prol das populações dos dois arquipélagos", refere o texto.

Na moção, Passos Coelho volta a sublinhar a importância da reforma do sistema eleitoral e a defender a consagração do voto preferencial opcional, que combine "a existência de um círculo nacional com círculos locais de menor dimensão, onde o eleitor tem um voto nominal escolhendo o seu candidato preferido, além da escolha do partido da sua preferência".

"Não vemos hoje qualquer obstáculo sério a que se facilite, com o recurso às novas tecnologias, e multiplique, com recurso a uma rede mais ampla e diversificada de locais de voto, a participação eleitoral dos Portugueses, tanto no território nacional como no estrangeiro", refere, ainda a moção de Passos, que aponta o novo ciclo presidencial como o momento ideal para esta reflexão.

"Era importante que, coincidindo este novo ciclo eleitoral com o início do mandato do novo Presidente da República, Dr. Rebelo de Sousa, o reforço da cidadania e o aprofundamento da democracia pudessem evoluir sob os auspícios do novo ciclo presidencial", refere.

Lusa

  • PSD contesta exoneração de António Lamas
    1:25

    Cultura

    O PSD acusa o Governo de ser "uma espécie de dono disto tudo". É a reação dos sociais-democratas à demissão de António Lamas da presidência do Centro Cultural de Belém (CCB). A exoneração foi decidida pelo ministro da Cultura João Soares, que nomeou Elísio Summavielle para o cargo. O deputado Sérgio Azevedo diz que é uma mudança sem justificação e que mostra a forma autoritária e aerrogante como o Governo está a usar o aparelho do Estado.

  • BE critica processo de substituição do presidente do CCB
    1:10

    Cultura

    O Bloco de Esquerda entende que não é aceitável que se mantenham as regras do PSD de nomear direções de organismos públicos. Na resposta à demissão de António Lamas da presidência do Centro Cultural de Belém, o deputado do BE José Soeiro disse que a melhor opção para estes casos são concursos públicos internacionais. Acrescentou ainda que a capacidade do PSD para criticar a ação do Governo é absolutamente nula.

  • Negócios do Fogo
    22:00
  • Direção da Raríssimas na Madeira demitiu-se em setembro
    1:58

    País

    Três representantes da Raríssimas na ilha da Madeira demitiram-se, em setembro, de costas voltas para a direção. A delegação da instituição na ilha começou em 2015 e fechou com as três demissões. Em entrevista à SIC, uma das antigas delegadas afirmou que todos os fundos angariados foram para a sede, em Lisboa, ficando depois sem dinheiro para pagar as despesas.

  • Deputado do PSD recusa vice-presidência da Raríssimas
    1:58

    País

    Nas reações políticas ao caso da Raríssimas, o PSD e CDS dizem que é preciso acionar todos os mecanismos legais apropriados para averiguar a situação. O deputado social-democrata, Ricardo Baptista Leite, que tinha sido convidado recentemente para vice-presidente da instituição, diz que já não há condições para tomar posse.

  • Turistas aproveitam nevão na Serra da Estrela
    1:23
  • Fortes nevões no norte da Europa
    0:59
  • Dezenas de feridos em protestos contra decisão de Trump em Israel
    1:55
  • A brincadeira de um youtuber que podia ter acabado mal

    Mundo

    Um jovem youtuber inglês enfiou a cabeça num saco de plástico, prendeu-a na parte interna de um microondas e encheu depois o eletrodoméstico com cimento. A brincadeira, que podia ter acabado de forma trágica, deixou o jovem completamente preso e obrigou à intervenção dos serviços de emergência.

    SIC

  • "Popeye" russo pode ter que amputar braços

    Mundo

    Um jovem russo injetou um óleo no corpo para conseguir ter músculos, mais propriamente nos seus braços, que já cresceram cerca de 25 centímetros. Contudo, segundo um médico, o procedimento pode levar à necessidade de amputação, deixando o jovem sem os membros.