sicnot

Perfil

País

Pena suspensa para pai de menor que atropelou mulher

O homem que deixou a filha menor conduzir, levando à morte de uma pessoa, foi hoje condenado a dois anos e 10 meses de prisão, com pena suspensa. A sentença foi conhecida esta tarde, no Tribunal de Almada.

SIC

O acidente ocorreu a 8 de dezembro de 2013 quando o arguido acedeu à insistência da filha para conduzir o jipe do pai, num percurso de cerca de 50 metros, entre um descampado e a residência da família.

Apesar de circular apenas com a primeira velocidade, a menina de 13 anos acabou por perder o controlo do veículo, embateu numa viatura e derrubou o muro de uma vivenda, acabando por atropelar mortalmente a dona da casa, que se encontrava a estender a roupa no quintal.

O tribunal entendeu que a negligência foi grosseira, mas que foi demonstrado arrependimento o que levou à pena suspensa. O arguido fica ainda proibido de conduzir nos proximos seis meses e terá de frequentar um curso de segurança rodoviária.

O Ministério Público pedia uma pena suspensa, de dois anos e nove meses, para o arguido, pela prática de um crime de homicídio negligente.

O advogado de defesa, Ricardo Sá Fernandes, concordava com a medida da pena de prisão suspensa proposta pelo Ministério Público, posição secundada pelo advogado dos familiares da vítima.

Última atualização às 16:56

Com Lusa

  • Pai que deixou filha de 13 anos conduzir começa a ser julgado
    2:39

    País

    Um pai que deixou a filha de 13 anos conduzir o carro começa esta quarta-feira a ser julgado, em Almada, por um crime de homicídio por negligência. Com o pai no banco do lado, a menor perdeu o controlo da viatura e embateu numa casa, provocando a morte a uma vizinha, de 54 anos.

  • "O que é isto, mamã?"
    36:23
  • O ensino à distância em Portugal
    4:12

    País

    Em Portugal, o ensino básico e secundário à distância já conta com 300 alunos e com a preciosa ajuda das novas tecnologias. É através do computador que a escola viaja e acompanha os alunos, alguns com doenças que não os permitem ir às aulas, outros que são atletas de alta competição e que têm a maior parte do tempo ocupado por treinos ou ainda os que fazem parte de famílias itenerantes, como é o caso dos que vivem no circo e andam de terra em terra.

  • Aprender a jogar badminton ao ritmo do samba
    2:54

    Mundo

    No Brasil, a correspondente da SIC foi conhecer um projeto social no Rio de Janeiro que mistura samba e desporto. Um desporto que ainda é pouco praticado mas que tem sido fundamental para transformar a vida de jovens das favelas e para descobrir novos talentos do badminton brasileiro.

    Correspondente SIC