sicnot

Perfil

País

Risco sísmico em Lisboa é maior na zona ribeirinha

A zona crítica de risco sísmico da cidade de Lisboa é "toda a zona ribeirinha", afirmou hoje o diretor do Serviço Municipal de Proteção Civil, defendendo que a capital está "mais bem" preparada para situações de catástrofes naturais.

Francisco Seco

"Estamos melhor agora do que estávamos há 10 anos, mas se calhar nunca ninguém está preparado" para uma situação de catástrofe, disse o responsável da Proteção Civil de Lisboa, Manuel João Ribeiro, referindo que "ainda há muito a fazer" para tornar a cidade mais resiliente e reduzir os danos em caso de sismo.

No âmbito de um encontro sobre o plano de emergência para o risco sísmico da cidade de Lisboa, o responsável alertou que "não são os terramotos que matam, são os edifícios", mostrando-se preocupado com o parque edificado envelhecido e o elevado número de edifícios total ou parcialmente devolutos.

Para Manuel João Ribeiro, o índice de envelhecimento da população lisboeta é também um fator de vulnerabilidade às ameaças e aos eventos ambientais e naturais inesperados, assim como a falta de informação sobre as medidas de autoproteção.

Em termos de risco sísmico, "a zona crítica é toda a zona ribeirinha", informou o diretor do Serviço Municipal de Proteção Civil de Lisboa, explicando que se deve às características da formação desta área e ao comportamento dos solos.

Outras zonas de preocupação são os vales da Avenida Almirante Reis, da Avenida da Liberdade e de Alcântara, por serem "zonas de aluvião, em que o comportamento dos solos não é ainda muito solidificado", adiantou o responsável, acrescentando que uma das zonas "melhores" é Monsanto.

De acordo com o simulador de danos sísmicos, se acontecesse hoje um terramoto como o de 01 de novembro de 1755, o número de edifícios afetados seriam entre 15.900 e 19.000 (26,07-31,08%), revelou o Manuel João Ribeiro, especificando que os edifícios danificados seriam entre 8.000 e 9.500 (14-16%), os edifícios com danos severos seriam entre 7.500 e 9.000 (12-15%) e os edifícios colapsados seriam entre 400 e 500 (0,07-0,08%).

Neste sentido, os estragos nos edifícios deixariam entre 80.000 e 120.000 pessoas desalojadas.

Em termos do comportamento do edificado e do número de desalojados "é indiferente" a hora em que acontece a catástrofe, mas "em termos de mortos e feridos já é diferente", devido à movimentação das pessoas na cidade de Lisboa, explicou.

Se o sismo acontecer às 15:00 provoca entre 4.000 e 5.300 mortos, mas se for às 03:00 o número de mortos será entre 2.000 e 3.000, segundo o simulador de danos sísmicos.

Questionado sobre qual a previsão de ocorrência de uma nova catástrofe em Lisboa, o diretor do Serviço Municipal de Proteção Civil disse que "não há previsão", argumentando que "cada dia é um dia a menos para o próximo terramoto".

"Pensamos muitas vezes apenas numa grande catástrofe como o terramoto de 1755, mas a probabilidade de acontecer é muito mais reduzida do que um sismo de menor magnitude, portanto de menor intensidade", frisou o responsável.

Manuel João Ribeiro considerou que "as catástrofes são um problema social", explicando que o plano de emergência para o risco sísmico da cidade de Lisboa tem-se focado em ações de sensibilização e de formação da população de como agir nestas situações.

Lusa

  • Mais de 50 concelhos do país em risco máximo de incêndio

    País

    Mais de meia centena de concelhos de dez distritos do país estão hoje em risco 'máximo' de incêndio, segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA). De acordo com o IPMA, estão sob este aviso 51 concelhos dos distritos de Castelo Branco, Faro, Portalegre, Santarém, Coimbra, Leiria, Guarda, Vila Real, Viseu e Bragança.

  • "Ao contrário do que diz a direita, o futuro dos jovens é aqui"
    0:52

    Economia

    António Costa atacou esta sexta-feira à noite a direita com o aumento do emprego jovem. Perante vários jovens no acampamento nacional da Juventude Socialista, o secretário-geral do PS dirigiu-se ainda aos partidos de direita para garantir que o aumento do salário mínimo está a criar mais emprego com maior qualidade.

  • Uma viagem aérea por Pegões
    1:00
    Visão de Portugal

    Visão de Portugal

    DIARIAMENTE NO JORNAL DA NOITE

    O espaço Visão de Portugal, do Jornal da Noite da SIC, mostra o país através de imagens aéreas. A rubrica leva-nos esta sexta-feira a sobrevoar Pegões, no concelho de Tomar. 

  • Porto eleito pela terceira vez o melhor destino europeu 
    2:53

    País

    O Porto foi eleito o melhor destino europeu pela terceira vez e as distinções internacionais não param de chegar. Desta vez os elogios chegam através da norte-americana CNN. Os preços acessíveis, a gastronomia, a história e a arquitetura são os pontos da cidade que tem a rua com maior tráfego do país. 

  • Lisboa é o terceiro melhor destino de cruzeiros
    1:22

    País

    O Turismo em Lisboa tem registado um crescimento. A cultura, a arte e os preços baixos são os pontos fortes apontados pelos turistas. A capital é já considerada o terceiro melhor destino de cruzeiros. O novo terminal do porto de Lisboa e a ligação direta a Pequim deverão aumentar ainda mais o número de visitantes.

  • Ir ao Minho e a Sintra
    22:50
  • Líder da Palestina hospitalizado

    Mundo

    O Presidente palestiniano, Mahmud Abbas, de 82 anos, foi hospitalizado este sábado em Ramallah, na Cisjordânia, para se submeter a um "exame de rotina" durante algumas horas, anunciou um porta-voz.