sicnot

Perfil

País

Cavaco Silva preside a Conselho de Ministros dedicado ao mar

O Presidente da República, Cavaco Silva, presidirá na quinta-feira, a convite do primeiro-ministro, António Costa, a uma reunião do Conselho de Ministros totalmente dedicada aos assuntos do mar, no Forte de São Julião da Barra (Oeiras).

In\303\241cio Rosa

De acordo com fonte da Presidência do Conselho de Ministros, haverá duas reuniões deste órgão: a primeira começa às 09:30 e terá o formato tradicional, apenas com os membros do executivo.

Perto das 11:00, chegará ao Forte de São Julião da Barra o Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva.

Depois de uma fotografia com o elenco governativo, começará o Conselho de Ministros presidido por Cavaco Silva, que, segundo a mesma fonte, "vai ser exclusivamente dedicada ao mar" e na qual serão aprovados apenas diplomas sobre o tema.

No final da reunião, estão previstas declarações à imprensa do primeiro-ministro e do Presidente da República.

Depois das declarações de António Costa e de Cavaco Silva, haverá ainda uma conferência de imprensa das ministras da Presidência e Modernização Administrativa, Maria Manuel Leitão Marques, e do Mar, Ana Paula Vitorino, que darão conta dos diplomas aprovados sobre a temática do mar.

De acordo com o artigo 133 da Constituição, faz parte das competências do Presidente da República "presidir ao Conselho de Ministros, quando o primeiro-ministro lho solicitar", sendo esta a primeira vez que tal acontece nos mandatos de Cavaco Silva.

Este será um dos últimos atos públicos de Cavaco Silva, que termina o seu mandato a 09 de março, com a posse do futuro chefe de Estado, Marcelo Rebelo de Sousa.

Lusa

  • Cágado tratado com implante impresso em 3D
    2:26
  • Patrões não aceitam alterações ao acordo de concertação social
    2:25

    Economia

    As confederações patronais foram esta sexta-feira ao Palácio de Belém dizer ao Presidente da República que não aceitam que o Parlamento faça alterações ao acordo de concertação social. Os patrões dizem ainda ter esperança que o Parlamento não chumbe o decreto-lei que reduz a TSU das empresas com salários mínimos.