sicnot

Perfil

País

Marcelo vai reconduzir representantes da República dos Açores e da Madeira

Marcelo Rebelo de Sousa, depois de tomar posse como Presidente da República, vai formalizar a nomeação dos representantes da República nas Regiões Autónomas dos Açores e da Madeira, reconduzindo Pedro Catarino e Ireneu Cabral Barreto.

JOS\303\211 SENA GOUL\303\203O

Segundo um comunicado enviado pelo gabinete de Marcelo Rebelo de Sousa à agência Lusa, o Presidente da República eleito vai proceder, a 9 de março, dia da tomada de posse, "nos trâmites constitucionais exigidos, à formalização da nomeação dos representantes da República nas Regiões Autónomas dos Açores e da Madeira", mantendo nos cargos, respetivamente Pedro Catarino e Ireneu Cabral Barreto.

Segundo o artigo 203.º da Constituição, "para cada uma das regiões autónomas há um Representante da República, nomeado e exonerado pelo Presidente da República ouvido o Governo".

De acordo com o texto constitucional, salvo o caso de exoneração, o mandato do Representante da República tem a duração do mandato do Presidente da República e termina com a posse do novo Representante da República.

Marcelo Rebelo de Sousa reuniu-se esta quarta-feira ao final do dia com o primeiro-ministro, António Costa, no Palácio de Queluz.

Na quinta-feira, o chefe de Estado, Cavaco Silva, homenageou os representantes da República para as regiões autónomas, sublinhando que a extinção deste cargo só pode ser defendida por desconhecimento das suas funções e competências, porque tal seria "extremamente gravoso".

"Só o desconhecimento do papel e das competências dos representantes da República para as regiões autónomas pode levar alguém a defender a extinção deste cargo constitucional", afirmou então o chefe de Estado, antes de condecorar o representante da República para a região autónoma da Madeira, Ireneu Cabral Barreto.

O Presidente da República fez ainda referência aos "altos serviços prestados ao país" pelo representante da República para os Açores, Pedro Catarino, já anteriormente condecorado.

Lusa

  • O fim do julgamento do caso BPN, seis anos depois
    2:26

    País

    O antigo presidente do BPN José Oliveira Costa tentou adiar o fim do julgamento principal do caso com um recurso para o Tribunal Constitucional. Apesar disso, a leitura do acórdão continua marcada para esta quarta-feira, quase seis anos e meio depois de os 15 arguidos se terem sentado pela primeira vez no banco dos réus.

  • José Oliveira Costa, o rosto do buraco financeiro do BPN
    3:04

    País

    José Oliveira Costa foi o homem forte do BPN durante 10 anos e tornou-se o rosto do gigantesco buraco financeiro. Manteve-se em silêncio durante todo o julgamento, mas falou aos deputados da comissão de inquérito, para negar qualquer envolvimento no escândalo que fez ruir o BPN.

  • Saída do Procedimento por Défice Excessivo marca debate no Parlamento
    1:40
  • Filhos tentam anular casamento de pai de 101 anos

    País

    O casamento de um homem de 101 anos com uma mulher com metade da idade, em Bragança, está a ser contestado judicialmente pelos filhos do idoso, que acusam aquela que era empregada da família de querer ser herdeira.