sicnot

Perfil

País

Ministra da Administração Interna diz que é necessário reforçar prevenção do terrorismo

A ministra da Administração Interna, Constança Urbano de Sousa, disse hoje que é necessário reforçar a prevenção e combate ao terrorismo, estando a ser avaliadas futuras medidas legislativas.

Constança Urbano de Sousa assegurou a presença de portugueses no novo centro "até para promover a partilha de informações entre todas as autoridades". (Arquivo)

Constança Urbano de Sousa assegurou a presença de portugueses no novo centro "até para promover a partilha de informações entre todas as autoridades". (Arquivo)

SIC

"As medidas legislativas que possam ser (tomadas) ainda estão em fase de avaliação. Neste momento, temos um quadro muito reforçado, mas há algo que temos de reforçar em matéria de prevenção e combate ao terrorismo, que é a partilha de informação entre todas as forças e serviços de segurança", disse Constança Urbano de Sousa, no parlamento.

No âmbito da discussão, na especialidade, da proposta de Orçamento do Estado para 2016, a ministra da Administração Interna está a ser ouvida na Assembleia da República, numa audição conjunta das comissões parlamentares de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa e de Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias.

Constança Urbano de Sousa adiantou que a prevenção é o "objetivo verdadeiramente estratégico no combate" ao terrorismo.

A esse respeito, referiu que, desde o Natal, existe um modelo de policiamento diferente, designadamente nos locais onde existe uma grande concentração de pessoas.

Segundo a ministra, este reforço do policiamento tem "uma função muito preventiva, não só para fenómenos de terrorismo, mas da criminalidade em geral".

Lusa

  • Governo garante que inspetores do SEF controlam todas as fronteiras externas
    0:41

    País

    O Governo garante que todas as fronteiras externas de Portugal estão a ser controladas por inspetores do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF). A ministra da Administração Interna, Constança Urbano de Sousa, desmente as denúncias do Sindicato da Carreira de Investigação e Fiscalização que diz não haver inspetores suficientes em todas as fronteiras.

  • Paulo Macedo pede calma para o bem do banco
    1:45

    Caso CGD

    Paulo Macedo falou pela primeira vez desde que foi eleito o novo Presidente da Caixa Geral de Depósitos e, para o bem do banco público, pediu calma a todos. Passos Coelho veio dizer que a recapitalização da Caixa pode ter de ser feita no verão do próximo ano para salvaguardar o défice deste ano. Já António Costa preferiu não comentar as declarações de Passos e diz que o banco público há muito que precisava de ser recapitalizado.

  • Condutores continuam com dúvidas em como circular numa rotunda
    2:06

    País

    Circular nas rotundas continua a ser um problema para muitos condutores. Cerca de 3 mil foram multados nos últimos três anos depois da entrada em vigor do novo código, os números são avançados pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Os instrutores de condução dizem que a medida provoca mais confusão nas horas de ponta.

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59
  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados". Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade.