sicnot

Perfil

País

Montanhistas que ajudaram grupo perdido no Gerês notificados para pagar multa

Os três montanhistas que terão ajudado três pessoas que se perderam na zona das Minas do Carris, no Gerês, em janeiro passado, terão sido notificados para pagar uma multa. De acordo com o Jornal de Notícias, para além dos que ficaram perdidos e foram multados, também os três montanhistas são agora notificados a pagar cerca de 250 euros cada um.

(Arquivo)

(Arquivo)

Sapo

Este grupo terá passado por uma zona de proteção total do Gerês sem autorização. Caso a multa não seja paga de forma voluntária, a coima pode mesmo chegar aos dois mil euros.

A 9 de janeiro, três homens ficaram perdidos a caminho da Serra da Nevosa e foram socorridos por um grupo de montanhistas oriundos de Braga que alertaram as autoridades. As operações de resgate envolveram uma centena de socorristas.

  • Seis pessoas resgatadas com sucesso no Gerês

    País

    As equipas de resgate conseguiram chegar às seis pessoas que se perderam durante a tarde deste sábado, no Parque da Peneda-Gerês, mas a situação complicou-se porque um das vítimas teve que ser transportada, de maca, por um caminho que tem cerca de 18 quilómetros.

  • Reportagem Especial dá a voz aos despedidos da banca
    1:18
  • CEMGFA admite que várias armas roubadas estão em condições de ser usadas
    2:06

    Assalto em Tancos

    Afinal há várias armas roubadas em Tancos que estão em condições de ser utilizadas, sendo que apenas os lança-granadas-foguete estão obsoletos. Esta manhã, o general Pina Monteiro admitiu, no Parlamento, que a declaração que fez há duas semanas pode ter induzido em erro a opinião pública. O chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas (CEMGFA) diz, ainda, que se houvesse indícios sobre colaboração do Exército neste caso, os suspeitos estariam presos.

  • Pais de Charlie Gard querem que o bebé morra em casa

    Mundo

    Depois de terem renunciado à batalha judicial para manterem o filho com vida, os pais do bebé britânico Charlie Gard desejam agora levar a criança para morrer em casa. O desejo foi revelado pelo advogado de Chris Gard e Connie Yates, numa audiência esta tarde, no Supremo Tribunal de Londres. Contudo, o hospital responsável pelo caso admite que os cuidados a Charlie não podem ser feitos em casa.