sicnot

Perfil

País

Carlos Cruz vai passar dia de anos fora da prisão

O Tribunal de Execução de Penas (TEP) autorizou um nova saída precária a Carlos Cruz, o que permitirá ao ex-apresentador festejar o seu aniversário, a 24 de março, fora da prisão, disse hoje à Lusa o seu advogado.

MIGUEL A. LOPES

Ricardo Sá Fernandes referiu que a decisão do TEP, de autorizar uma saída precária de três dias, foi tomada esta semana.

O advogado salientou, contudo, que Carlos Cruz aguarda que ainda em março seja decidida pelo TEP a sua liberdade condicional

Ricardo Sá Fernandes admitiu que uma decisão favorável à liberdade condicional do ex-apresentador, que venha a ser proferida até ao aniversário, revogue, na prática, os efeitos da saída precária.

Condenado a seis anos de prisão, Carlos Cruz foi ouvido sobre a liberdade condicional, numa altura em que já completou dois terços da pena a que foi condenado.

Carlos Cruz cumpriu, em dezembro de 2014, metade da pena de prisão (três dos seis anos) a que foi condenado, por crimes de abuso sexual de menores.

O ex-apresentador de televisão tem estado a cumprir a pena no Estabelecimento Prisional da Carregueira, no concelho de Sintra, e já teve direito a uma saída precária, em dezembro passado, para passar o Natal em casa.

No processo Casa Pia, relacionado com abusos sexuais de alunos e ex-alunos da instituição, foram ainda condenados o antigo motorista casapiano Carlos Silvino (15 anos de prisão), o médico Ferreira Dinis (sete anos), o ex-diplomata Jorge Ritto (seis anos e oito meses) e o antigo provedor-adjunto da instituição Manuel Abrantes (cinco anos e nove meses).

Lusa

  • Elemento dos Super Dragões com medida de coação mais gravosa
    1:37

    Desporto

    Os seis arguidos da Operação Jogo Duplo, que investiga crimes de corrupção e viciação de resultados na II Liga de futebol, saíram em liberdade. A medida de coação mais gravosa é para um membro da claque Super Dragões, que terá de pagar uma caução de 5 mil euros.

  • Mais de 120 pessoas com hepatite A
    2:23

    País

    O surto de hepatite A já infetou 128 pessoas, 60 das quais estão internadas em hospitais de Lisboa e Coimbra. A Direção-Geral da saúde recomenda a vacinação apenas aos familiares dos doentes. Apesar de não haver ruptura de stocks, há farmácias que não têm vacinas.

  • Sobreviventes de Mossul relatam mutilações e execuções do Daesh
    1:32