sicnot

Perfil

País

Sovena diz que mortes em silo de farinha aconteceram em acidente de trabalho

O Grupo Sovena confirmou hoje à agência Lusa a ocorrência de um acidente de trabalho nas instalações da sua unidade industrial localizada em Almada, em que morreram um colaborador da Sovena e um colaborador externo à empresa.

Fonte oficial da empresa disse à agência Lusa que o acidente ocorreu quando se iniciavam os trabalhos de limpeza de um silo, no Pragal, Almada, "uma tarefa habitual e frequente na atividade daquela unidade fabril".

Entretanto, fonte da GNR de Setúbal disse à Lusa que os dois homens, de 58 e 37 anos, morreram afixiados em farinha.

A Sovena refere foi "aberto de imediato um inquérito interno com vista a esclarecer as razões da ocorrência", e que, logo após o acidente contactou as autoridades, estando a trabalhar com as mesmas no sentido de apurar as causas do acidente.

"A Sovena apresenta desde já a sua solidariedade para com as famílias e está disponível para prestar o apoio necessário em resultado desta trágica ocorrência", acrescentou a fonte.

Segundo os bombeiros da Trafaria e o Centro Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Setúbal, o alerta sobre o acidente no silo foi dado pelas 16:30.

O Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Setubal confirmou à Lusa que os óbitos foram confirmados no local e que silo tem cerca cde 30 metros de altura e continha dois metros de farinha.

No local estiveram cinco veículos dos bombeiros da Trafaria, com 15 homens, viatura médica de emergência e reanimação do Hospital de Santa Maria e GNR da Trafaria.

Lusa

  • Porque é que Melania e Ivanka vestiram preto para conhecer o Papa

    Mundo

    Melania e Ivanka chegaram ao Vaticano de preto, uma escolha muito questionada. De vestidos longos e véus, as mulheres Trump seguiram assim o dress code aconselhado nas audiências com o Papa. Também Michelle Obama usou uma vestimenta do género, em 2009, quando visitou Bento XVI.

  • Escola de Vagos castiga alunos por protesto contra a homofobia e preconceito

    País

    Os alunos da Escola Secundária de Vagos, no distrito de Aveiro, organizaram um protesto contra o que consideram homofobia e preconceito. Segunda-feira, depois de duas alunas se terem beijado foram chamadas à direção da escola, que as terá informado que não podiam beijar-se em público. O protesto foi gravado e partilhado nas redes sociais. Em declarações à SIC Notícias, um dos alunos disse que todos os envolvidos no protesto vão ser alvos de um processo disciplinar. O Bloco de Esquerda já pediu esclarecimentos ao Ministério da Educação.

    EXCLUSIVO

    Rita Pedras